Exposição ajuda vítimas de violência doméstica a recuperarem o amor próprio

As moradoras de São José contam com um projeto específico para valorizar a mulher. O Espelho Meu: ‘Prevenção à violência de gênero por meio da linguagem fotográfica’ surgiu com o objetivo de resgatar a autoestima de mulheres que foram vítimas de violência doméstica e se transformou em símbolo do combate à violência ao valorizar a imagem delas por meio de ensaios fotográficos.

Fotos foram feitas por alunos e coordenadas pelo professor Radilson - Divulgação/PMSJ/ND
Fotos foram feitas por alunos e coordenadas pelo professor Radilson – Divulgação/PMSJ/ND

Ao todo, 10 mulheres foram selecionadas entre as que tinham medida protetiva ativa, que já haviam tido passagem pela DPCAMI ou que estavam abrigadas em uma ONG com sede no município. A exposição é itinerante e está exposta no hall de entrada prefeitura de São José.

“Este projeto mostrou que com a união de todos é possível conquistar bons resultados, por isso, quero expressar a minha gratidão a todas as mulheres que tiveram a coragem de expor seus mais íntimos sentimentos, aos poderes públicos que possibilitaram que este trabalho fosse realizado dentro da cidade de São José, e a todos os profissionais, empresários e comunidade que se envolveram nesta causa tão nobre”, destacou.

As imagens foram retratadas voluntariamente por alunos da Câmara Criativa sob o comando do professor, Radilson Carlos Gomes. As professoras da Rede Municipal de Ensino de São José, Edi Silva Foppa e Rachel da Silva, fizeram a produção de cabelo e unhas das mulheres na Escola Profissional de Campinas dirigida pelo professor, Luis Antonio de Aguiar, e as psicólogas clínicas Patrícia França Alborghetti e Fernanda Cristina Segatto atenderam gratuitamente as participantes.

Todos os ensaios externos foram produzidos em pontos turísticos da cidade de São José como o Centro Histórico e a Ponta de Baixo. “A fotografia é uma ferramenta de transformação social e sua potência está em cada um de nós. Através do trabalho humanizado que desenvolvemos na escola, conseguimos promover este click solidário, que faz com que a fotografia cumpra o papel solidário que ela tem para mim”, afirmou o professor de fotografia, Radilson Carlos Gomes.

Jandira Mara dos Santos, de 45 anos é um dos exemplos de quem conseguiu buscar a força que havia escondida dentro de si. “Tenho muita gratidão em ter participado deste projeto, que me ajudou a reencontrar a Jandira que eu achava que não existia mais. Achava que a vida havia acabado, e hoje minha vida esta renascendo, aos poucos me sinto dona de mim”, relata Jandira ao enfatizar que a restauração da relação com seus quatro filhos.

Região

Nenhum conteúdo encontrado