Família cria vaquinha para trazer corpos de turistas brasileiros mortos no Chile

Atualizado

Os corpos dos seis turistas brasileiros, entre eles quatro adultos e dois adolescentes, mortos em um apartamento em Santiago, no Chile, ainda não têm previsão para serem deslocados de volta ao Brasil. Eles foram encontrados sem vida nesta quarta-feira (22) e a suspeita é de que a família tenha inalado monóxido de carbono.

Família morava em Biguaçu, na Grande Florianópolis – Reprodução/Facebook

De acordo com uma prima de duas das vítimas, Débora Muniz Nascimento de Souza e Jonathas Nascimento Kruger, a família não tem condições financeiras para o translado. Para isso, informou Elisana Nascimento, foi criada uma vaquinha coletiva para ajudar os familiares a arrecadar os R$ 100 mil necessários para trazer os corpos para o Brasil.

Ainda na manhã desta quinta-feira (23), Isabel Muniz, mãe de Débora e Jonathas, foi velada em um crematório em Palhoça, na Grande Florianópolis. Ela morreu vítima de câncer.

O governo do Estado divulgou uma nota de pesar, na qual “manifesta profundo pesar pela morte do casal” e “se solidariza com familiares e amigos neste momento de dor e acompanha a investigação das circunstâncias das mortes pelas autoridades chilenas”. A Prefeitura de Biguaçu também acompanha o caso.

A Divisão de Homicídios da polícia chilena realiza uma investigação para esclarecer o que provocou a morte dos brasileiros.

Jonathas Nascimento Kruger e Adriane Kruger em registro feito durante a viagem ao Chile – Reprodução/Instagram

Viagem de aniversário

Entre as vítimas, conforme a Polícia Civil de Santa Catarina, estão um casal que morava em Biguaçu, na Grande Florianópolis, e seus dois filhos. Eles viajaram para o Chile acompanhados de outro casal, que morava em São Paulo e também morreu, para comemorar o aniversário de um dos adolescentes.

As vítimas incluem o marido de Débora, Fabiano de Souza, e os filhos do casal, Karoliny Nascimento de Souza, de 14 anos, e Felipe Nascimento de Souza, de 13. Além dos catarinenses, Adriane Kruger, mulher de Jonathas e natural de Goiânia (GO), também morreu com a inalação do gás.

Leia também:

Nota de Pesar

“O Governo do Estado de Santa Catarina manifesta profundo pesar pela morte do casal Fabiano de Souza e Débora Muniz Nascimento de Souza e os filhos Caroline Nascimento de Souza e Felipe Nascimento de Souza, de Biguaçu, assim como Jonathas Nascimento Kruger, catarinense e irmão de Débora, e a esposa dele, Adriane Kruger, que era natural de Goiânia. A família passava férias em Santiago do Chile, onde foi encontrada sem vida em um apartamento no centro da cidade. O Governo do Estado se solidariza com familiares e amigos neste momento de dor e acompanha a investigação das circunstâncias das mortes pelas autoridades chilenas.”

Geral