Família ‘era calma e unida’, dizem vizinhos de suspeito de matar filho em Chapecó

Atualizado

A morte de pai e filho dentro da própria casa na tarde desta terça-feira (14), chocou a cidade de Chapecó. Segundo o coronel Ricardo Alves da Silva, comandante do 2º Batalhão da Polícia Militar, vizinhos das vítimas relataram que a família era calma, unida e não havia motivos aparentes para tamanha agressão.

Ao que tudo indica Fernando Prazido, de 31 anos, é o principal suspeito de matar o menino de três anos e agredir a mãe, Doralina Prazido, de 69. A mulher foi socorrida com ferimentos graves e está internada. A suspeita é que o homem tenha se matado depois do ocorrido.

Policiais chegaram na residência e encontraram o homem e o filho morto – Foto: Willian Almeida/ND

“É um fato lamentável. Há pouco mais de dois meses nos deparamos com um fato semelhante, quando uma família foi encontrada morta dentro do próprio apartamento”, disse o coronel Ricardo da Silva, em entrevista à NDTV. O caso em questão é o da família morta no dia 6 de novembro, também em Chapecó.

Leia também:

Conforme o coronel, os próprios policiais militares que atenderam a ocorrência ficaram espantados com a quantidade de sangue espalhada pela casa.

O comandante revelou que a criança foi agredida com um altere, equipamento utilizado em academias.

Investigação 

A DIC (Divisão de Investigação Criminal) da Polícia Civil instaurou um inquérito policial para investigar o caso.

Ainda nesta terça-feira, peritos do IGP (Instituto Geral de Perícias) e agentes da Polícia Civil estiveram na casa da família. Eles colheram informações com testemunhas,  analisaram e recolheram os corpos.

Mais conteúdo sobre

Polícia