Florianópolis registra 188 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave

Na última segunda-feira (01), a Vigilância Epidemiológica de Florianópolis divulgou um novo alerta com dados que apontam significativo aumento de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), mesmo para o inverno.

Em Florianópolis, já foram notificados 188 casos de SRAG neste ano, sendo 164 entre pessoas que moram no município. “Este número é bem superior ao esperado para esta época do ano, segundo nossa série histórica”, relata a especialista em epidemiologia, médica e gerente de Vigilância Epidemiológica de Florianópolis, Ana Cristina Vidor.

A maior parte dos casos, até o momento, foi causada por outros microorganismos não identificados pelas técnicas virais. Entre os vírus, o vírus sincicial respiratório (VSR) foi o mais frequentemente associado a estas infecções, seguido pelo Influenza A, que também foi responsável pelas duas mortes por SRAG em Florianópolis neste ano. Aproximadamente, 12% dos casos notificados seguem em investigação, aguardando resultado laboratorial.

Leia também: 

O que é Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)?

A SRAG é caracterizada por sintomas gripais, tais como febre de início súbito, acompanhada de tosse ou dor de garganta e pelo menos um destes sintomas: cefaleia (dor de cabeça), mialgia (dor muscular) ou artralgia (dor nas juntas) – em pacientes com até 6 meses de idade. Já em pacientes com idade superir a 6 meses consideramos febre de início súbito, mesmo que referida, e sintomas respiratórios. “Na SRAG esses sintomas gripais são associados a sinais de gravidade, que levam o paciente à internação”, reforça a especialista.

Entre os sinais de gravidade, os médicos devem levar em consideração dispneia (falta de ar); choque; desconforto respiratório; insuficiência respiratória; saturação de O2 menor que 95% e/ou piora nas condições clínicas de doença de base.

As suas principais causas são as infecções virais, embora, ocasionalmente, possa ser causada por outros microorganismos. Estes casos são de notificação obrigatória e o agravo é monitorado constantemente.

A Vigilância Epidemiológica reforça que ao constatar os sintomas de SRAG citados anteriormente, a população deve procurar uma unidade de saúde e consultar seu médico para uma avaliação.

“Vale ressaltar que a automedicação é muito perigosa, em qualquer circunstância, e como ainda temos focos de Aedes aegypti em Florianópolis, e por isso com risco de dengue, é importante estarmos atentos aos sintomas para chegarmos ao diagnóstico correto, além disso, há componentes presentes em certos medicamentos utilizados para minimizar o desconforto da gripe que não podem ser prescritos a pacientes com dengue, como os que contêm salicilatos”, esclareceu Ana.

Cuidados

A Vigilância Epidemiológica de Florianópolis reforça alguns cuidados básicos que as pessoas devem incluir em sua rotina para evitar contágios respiratórios, principalmente nessa época do ano. São eles:

  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Lavar as mãos várias vezes ao dia;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, caso não tenha lenço, proteja com o antebraço evitado as mãos que são importantes veículos de contaminação;
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe e resfriado;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados);
  • Manter os ambientes bem ventilados;
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.

Mais conteúdo sobre

Saúde