Florianópolis se mantém com a quarta cesta básica mais cara do país

Atualizado

Florianópolis se mantém entre as cestas básicas mais caras do país, conforme apontou Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos divulgada nesta quarta (6). O levantamento,  realizado pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) em 17 capitais, foi feito entre setembro e outubro de 2019.

Para comprar os alimentos essenciais em Florianópolis é preciso desembolsar R$ 458,28 – Foto: Marcelo Bittencourt/Arquivo/ND

Para comprar o conjunto de alimentos essenciais na capital catarinense é preciso desembolsar R$ 458,28. Em São Paulo, a mais alta do país, custa R$ 473,59 e em Aracaju, a mais baixa, R$ 325,01.

Em 12 meses, entre outubro de 2018 e o mesmo mês de 2019, com exceção de Aracaju (-5,11%) e Fortaleza (-1,58%), todas as capitais acumularam alta, que oscilaram entre 1,76%, em Florianópolis, e 10,62%, em Goiânia.

Leia também:

Florianópolis teve o maior aumento do preço médio da lata de óleo de soja, 7,69%. O valor aumentou em 15 cidades: as altas oscilaram entre 0,60%, em Goiânia, e 7,69, de Florianópolis.

Em 12 meses, com exceção de Brasília (-0,30%), as cidades pesquisadas acumularam altas, com destaque para Goiânia (23,08%) e Florianópolis (12,25%). A maior demanda do óleo de soja para produção de biodiesel reduziu a oferta e aumentou o preço no varejo.

A carne bovina de primeira aumentou de preço em 14 cidades. Florianópolis lidera a alta, 6,16%, seguida de Fortaleza (3,30%).

A farinha de trigo, pesquisada na região Centro-Sul, aumentou de valor em quase todas as capitais, exceto em Goiânia (-0,79%). Destacam-se as altas em Brasília (4,13%), Florianópolis (3,02%) e Belo Horizonte (2,60%).

Mais conteúdo sobre

Economia