Foi mal no Enem? Calma que a segunda prova vem aí

Atualizado

A segunda fase da maratona de provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) será neste domingo (10) e enquanto aguarda, muitos candidatos se questionam sobre o rendimento na etapa anterior, realizada no último domingo (3).

Mas e o estudante que não foi bem? O que deve fazer? A primeira dica é não desistir. Os professores ouvidos pelo R7 orientam que vale a fazer a segunda prova sim.

“Esse é o momento do aluno analisar o que errou e o porque além do Enem, provavelmente prestará outras provas e pode preencher lacunas de conteúdo, aperfeiçoar método de estudo e estratégias”, avalia Perry

Os 3,9 milhões de estudantes que fizeram o exame responderam 90 questões de múltipla escolha sobre linguagens (português, literatura, língua estrangeira), história e geografia, além da redação, que teve como tema a democratização do acesso ao cinema.

Primeira dica é não desistir – Foto: Arquivo/ND

“Podemos dizer que a prova deste ano foi equilibrada, abrangente nos assuntos cobrados e que valorizou as habilidades dos estudantes”, avalia o professor, Daniel Perry.

Leia também:

Para a segunda prova vale manter a rotina de estudo, mas sem exageros. O professor de Matemática, Felipe Freire, orienta “revisar fórmulas e padrões, fazer exercícios de matemática em que os alunos já tenham conhecimento prévio para aumentar a segurança na hora da prova.”

Mantenha a rotina

Nesta semana, vale fazer atividades físicas e manter a rotina de sono. Um aluno exausto não terá um bom desempenho na prova. Chegar cedo no local do exame é fundamental. Entrar esbaforido para responder 90 questões não ajuda em nada.

No dia do exame, Freire orienta os alunos a se sentarem no mesmo lugar que fizeram a primeira prova. “É uma tomada de território e traz um conforto maior para o estudante.”

Assim que receber a prova, leia a questão: é fácil? Sabe responder? Faça. Não sabe? Está na dúvida? Faça uma marquinha ao lado e pule para a próxima. “Responder 45 questões de matemática direto pode ser exaustivo, melhor intercalar com a prova de ciências da natureza”, avalia Perry.

Mais conteúdo sobre

Educação