Gêmeas de seis meses de vida dormem desde o nascimento no Pará

Atualizado

Uma doença misteriosa mobiliza os médicos na cidade de Redenção, no sul do Pará. As gêmeas Ana Sofia e Ana Júlia desde de que nasceram, há seis meses, nunca despertaram.

Gêmeas Ana Sofia e Ana Júlia têm estado de sono profundo chamado de “Comatoso” pelos médicos – Foto: R7/Reprodução

A mãe das gêmeas, Luana da Silva de 20 anos, não lembra de escutar os bebês chorando e nem esboçavam reações até que após quatro horas, uma delas começou a passar mal. A saúde das irmãs foi estabilizada e um mês depois do nascimento, as gêmeas receberam alta.

Leia também:

Há três meses, porém elas deram um sinal de que iriam despertar. Na verdade elas estavam tendo crises de convulsão que ficaram recorrentes. “Tudo que acontecia, eu filmava, aí quando eu via eu filmava e mostrei para a neurologista. Ela avaliou e disse que iria internar a gente” conta.

O estado de sono profundo em que as gêmeas se encontram é classificado pelos médicos como “Comatoso”. A pediatra Ana Fonseca explica que Ana Sofia e Ana Júlia têm o reflexo primário, que todas as crianças têm, mas elas não se desenvolveram. É como se ela tivesse sob medicação em coma induzido, mas na verdade não existe medicação. Isso está sendo produzido pelo próprio organismo delas”.

A equipe médica suspeita que as bebês tenham um caso raro de erro inato do metabolismo, uma deficiência genética, que é causado pela deficiência de uma enzima. Elas são tipos de proteínas responsáveis pelas reações químicas do corpo humano. A falta de uma dela causa uma desordem genética rara. Com isso, o organismo não consegue transformar alimentos em energia de forma correta. O caso ainda está sob investigação.

Exames adicionais, realizados na última semana, foram enviados para análise em São Paulo. As gêmeas foram cadastradas no Siem (Serviço de Informações sobre Erros do Metabolismo), vinculado à Universidade do Rio Grande do Sul e também ao Ministério da Saúde, que está orientando as condutas a serem adotadas de acordo com o governo do Pará.

Apesar de todas as dificuldades, as bebês crescem e ganham peso. Ana Júlia está com 7kg. Ana Sofia com mais de 9kg. Luana passa as noites dormindo na cadeira do hospital zelando pela saúde das filhas. Apesar da gravidade do caso, ninguém perde a esperança.

Saúde