Giba tem prisão decretada por não pagar pensão alimentícia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ídolo do voleibol brasileiro, o ex-ponteiro Giba teve prisão de 60 dias decretada em 9 de fevereiro por não pagar pensão alimentícia de Nicoll e Patrick, seus filhos com a também ex-jogadora de vôlei Cristina Pirv. A informação é do blog “Saída de Rede”, que publica seu noticiário no UOL.

A prisão não chegou a ser efetuada porque, antes de o mandado de prisão ser expedido, Giba conseguiu na noite desta sexta (16) uma liminar para suspender a decisão até a realização de uma audiência em data ainda a ser marcada.

O jogador passou a última semana em PyeongChang, na Coreia do Sul, onde ajudou esta semana a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) a promover o vôlei na neve durante os Jogos Olímpicos de Inverno.

A dívida de Giba chega a aproximadamente dez meses de pensão, mas ele alega não ter como pagar os valores estabelecidos pela Justiça. Ele, inclusive, luta há meses nos tribunais para diminuir o montante dado mensalmente aos filhos e atualmente só está pagando parte da pensão.

Procurado, o advogado de Giba, José Rodrigo Sade, afirmou que não havia sido informado de qualquer ordem de prisão e garantiu que seu cliente estava tranquilo, sendo, inclusive, pouco provável que ele seja preso. 

Por sua vez, o advogado de Pirv, Rodrigo Reis Silva, confirmou a existência da ordem de prisão, mas alegou não poder dar mais detalhes porque o processo corre em segredo de Justiça. Disse somente que na próxima segunda-feira (19) tentará derrubar o efeito suspensivo da ordem de prisão para que Giba seja preso assim que voltar ao Brasil.

Mais conteúdo sobre

Brasil

Giba tem prisão decretada por não pagar pensão alimentícia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ídolo do voleibol brasileiro, o ex-ponteiro Giba teve prisão de 60 dias decretada em 9 de fevereiro por não pagar pensão alimentícia de Nicoll e Patrick, seus filhos com a também ex-jogadora de vôlei Cristina Pirv. A informação é do blog “Saída de Rede”, que publica seu noticiário no UOL.

A prisão não chegou a ser efetuada porque, antes de o mandado de prisão ser expedido, Giba conseguiu na noite desta sexta (16) uma liminar para suspender a decisão até a realização de uma audiência em data ainda a ser marcada.

O jogador passou a última semana em PyeongChang, na Coreia do Sul, onde ajudou esta semana a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) a promover o vôlei na neve durante os Jogos Olímpicos de Inverno.

A dívida de Giba chega a aproximadamente dez meses de pensão, mas ele alega não ter como pagar os valores estabelecidos pela Justiça. Ele, inclusive, luta há meses nos tribunais para diminuir o montante dado mensalmente aos filhos e atualmente só está pagando parte da pensão.

Procurado, o advogado de Giba, José Rodrigo Sade, afirmou que não havia sido informado de qualquer ordem de prisão e garantiu que seu cliente estava tranquilo, sendo, inclusive, pouco provável que ele seja preso. 

Por sua vez, o advogado de Pirv, Rodrigo Reis Silva, confirmou a existência da ordem de prisão, mas alegou não poder dar mais detalhes porque o processo corre em segredo de Justiça. Disse somente que na próxima segunda-feira (19) tentará derrubar o efeito suspensivo da ordem de prisão para que Giba seja preso assim que voltar ao Brasil.

Mais conteúdo sobre

Esportes