Governo de Santa Catarina lança aplicativo para auxiliar no combate ao mosquito da dengue

Raimundo Colombo também anunciou o apoio do Exército nas ações de prevenção e erradicação dos focos

O combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika, ganha força em Santa Catarina. Na manhã desta sexta (5), em entrevista coletiva na Sala de Situação Estadual, em Florianópolis, com a presença de secretários e representantes de órgãos públicos, o governador Raimundo Colombo anunciou o apoio do Exército brasileiro nas ações de prevenção e erradicação dos focos de proliferação do mosquito e o lançamento do aplicativo ‘DengueSC’, para que a população ajude a monitorar os possíveis focos no Estado.

Divulgação/ND

Prático e simples, o aplicativo já pode ser baixado em smartphones com sistema Android e, em até três dias, estará disponível também no sistema iOS. Com o aplicativo em funcionamento, basta o cidadão fotografar o lugar suspeito e se identificar com nome, telefone e cidade para facilitar a atuação das equipes de deslocamento até o ponto da denúncia. “É extremamente simples de usar, e vai ajudar as equipes de combate ao mosquito na identificação de possíveis criadouros e mobilizar a sociedade”, afirmou o secretário estadual de Saúde, João Paulo Kleinübing.

Paralelamente, o poder público catarinense trabalha em uma ação conjunta de diversos órgãos para combater o Aedes. “O mês de fevereiro, historicamente, é o pior mês em termos de multiplicação dos casos. Os números até agora são melhores que o ano passado, mas a ameaça é muito mais grave, porque não havia esse fenômeno do zika vírus”, alertou o governador.

Dentro das ações programadas, está o apoio de 5.000 militares das Forças Armadas, a partir do dia 13 de fevereiro, quando haverá uma campanha de esclarecimento da população. Além disso, o Ministério da Defesa começou a liberar o apoio aos municípios que solicitaram ajuda do Exército, como Itajaí, Balneário Camboriú, Pinhalzinho e Chapecó, além da Capital. “Em Florianópolis, já começamos a capacitação de um efetivo que vai trabalhar de maneira permanente, até o final março, naqueles bairros onde há indicação mais clara de concentração do problema”, disse o general Richard Fernandes Nunes.

Vistoria em 300 mil imóveis

Dentro do plano nacional de combate ao mosquito Aedes Aegypti, a Vigilância Epidemiológica precisa vistoriar cerca de 300 mil imóveis em 28 cidades de Santa Catarina até o dia 29 de fevereiro. Segundo a secretaria de Saúde, 166 mil já receberam visita dos agentes, mesmo que haja dificuldades de acesso a, pelo menos, um terço das residências.

Ao todo, o Estado tem 800 casos sob investigação, 15 casos de dengue confirmados, sendo que apenas um deles foi contraído em Santa Catarina (nove vieram de fora e cinco ainda estão em avaliação sobre o possível local de infecção). Cinco casos de zika vírus, todos contraídos em outros estados, já foram confirmados, e outros 13 permanecem sob investigação. Além disso, foram notificados 26 casos suspeitos de febre de chikungunya em Santa Catarina, todos sob investigação.

“É muito grave o que está acontecendo. Para se ter uma ideia, nos últimos cem anos, é a primeira vez que o Brasil decreta emergência de saúde pública, o que mostra exatamente o que temos que enfrentar. As consequências são trágicas, por isso precisamos nos empenhar ao máximo”, declarou o governador Raimundo Colombo.

Síndrome de Guillain-Barré descartada

Na manhã de ontem, o jornal O Globo noticiou que houve um aumento substancial nos casos de síndrome de Guillain-Barré – distúrbio neurológico que pode causar graves paralisias – registrados no Rio de Janeiro. De acordo com a reportagem, o Hospital Universitário Antônio Pedro costuma receber cinco casos por ano, mas só em janeiro já foram 16.

A secretaria de Saúde de Santa Catarina reconhece que há ligação entre o zika vírus e a síndrome de Gaullain-Barré, mas descarta casos da doença no Estado. “Qualquer doença infecciosa, como o zika, pode servir de gatilho para a síndrome de Guillain-Barré. Apesar disso, no monitoramento que fazemos no Estado, a média de casos está dentro da normalidade histórica”, afirmou o superintendente de Vigilância em Saúde, Fábio Gaudenzi.

Números do Aedes aegypti em SC

Casos de contaminação sob investigação: 800
Casos de dengue confirmados: 15
Casos de dengue contraídos fora de SC: 9
Casos de dengue contraídos em SC: 1
Casos de dengue sob investigação: 5
Casos de zika confirmados: 5 (todos contraídos fora do Estado)
Casos de zika sob investigação: 13
Casos suspeitos de febre chikungunya: 26
Total de imóveis a serem vistoriados: 300.000
Total de imóveis já vistoriados: 166.000
Apoio das Forças Armadas: 5.000 militares

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...