Greve deixa 11 unidades escolares de Florianópolis sem atendimento nesta segunda

Atualizado

Neste sexto dia de paralisação dos servidores municipais de Florianópolis, que iniciaram a greve à meia-noite de quarta-feira (12), 11 unidades escolares permanecem sem aulas. O balanço divulgado no fim da manhã desta segunda-feira (17) aponta que cinco escolas e seis NEIMs (Núcleos de Educação Infantil) não estão atendendo.

De acordo com a secretaria, cinco escolas estão sem atendimento – PMF/Divulgação/ND

De acordo com a secretaria de Educação, as escolas sem atendimento são a EBM Brigadeiro Eduardo Gomes, a EBM Donícia Maria da Costa, a EBM Herondina Medeiros Zeferino, a EBM Intendente Aricomedes da Silva e a EBM Costa da Lagoa.

O balaço informa, ainda, que 12 escolas estão com atendimento normal e 17 atendem parcialmente. A secretaria não conseguiu contato com uma escola.

Entre os NEIMs que não abriram as portas estão os da Caieira da Barra do Sul, Irmã Scheilla e João Machado da Silva. Os NEIMs vinculados às escolas Albertina Madalena Dias, Costa da Lagoa e José Amaro Cordeiro, também ficaram fechados.

A secretaria informou também que 40 Núcleos estão funcionando parcialmente, 33 seguem com atendimento normal e nove unidades não responderam ao contato telefônico.

Outros serviços

A Comcap (Autarquia de Melhoramentos da Capital) e o transporte coletivo funcionaram normalmente pela manhã.

Na área da assistência social, segundo a assessoria, 2 unidades do Cras (Centro de Referência de Assistência Social) não abrem e 4 funcionam parcialmente. Já os abrigos e centros de convivência estão com os serviços normalizados nesta tarde de segunda.

Até às 10h45, a prefeitura não havia divulgado o balanço de outros serviços municipais.

Leia também:

Nova assembleia

Uma nova assembleia do Sintrasem (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis) está marcada para às 13h45 desta segunda-feira. Na ocasião, serão discutidas as propostas apresentadas na mesa de negociação realizada na manhã de domingo (16), entre representantes do sindicato e a prefeitura.

A conversa, que durou cerca de duas horas, girou em torno do plano de cargos e salários, reposição da inflação e futuro concurso público. Segundo a prefeitura, a administração municipal fez uma proposta financeira de reposição e outros ganhos. O acordo é que a proposta não seja divulgada antes da apresentação para os servidores, na assembleia marcada para o início da tarde.

Educação