Grupo acusado de assassinar advogado será levado a júri em São Miguel do Oeste

Atualizado

Na próxima segunda-feira (1), terá início o julgamento dos cinco homens denunciados pelo MP-SC (Ministério Público de SC) pelo homicídio do advogado Joacir Montagna em 2018. O julgamento ocorre na Câmara Municipal de Vereadores de São Miguel do Oeste, a partir das 9h e estenderá ao longo da semana.

Advogado Joacir Montagna foi executado em agosto de 2018, em seu escritório – RICTV / Reprodução ND

Montagna foi executado em seu escritório, no Município de Guaraciaba, no dia 13 de agosto de 2018. No plenário, promotor de Justiça, João Paulo de Andrade, sustentará que os réus são responsáveis por homicídio duplamente qualificado.

Leia também

De acordo com o MP, Adelino José Dala Riva contratou os irmãos Lucas Gomes dos Santos, Abel Gomes dos Santos e David Gomes dos Santos para matar o advogado. A arma do crime, inclusive, teria sido dada por Adelino como parte do pagamento. Lucas, foragido do sistema prisional e suspeito de integrar facção criminosa do Rio Grande do Sul, seria o responsável por atirar na vítima.

A denúncia alcança ainda José de Almeida, tio dos três irmãos. Ciente do crime praticado, ele é suspeito de tentar vender uma arma ilegal para custear a defesa dos sobrinhos. Além disso, teria ajudado David a fugir para Rio Bonito do Iguaçu, no Paraná, local em que foi preso.

O caso

Dias antes da execução, o grupo realizou um verdadeiro trabalho de espionagem contra vítima. Foram coletadas informações sobre o advogado na internet para planejar a rota de fuga, inclusive com aplicativos on-line de trajetos rodoviários. Além disso, os acusados realizaram uma ligação telefônica para o escritório de Montagna para marcar um horário de atendimento.

No dia do crime, Lucas, Abel e David se deslocaram de Chapecó para Guaraciaba. Enquanto Abel os aguardava em um local combinado, Lucas e David foram ao escritório da vítima em uma motocicleta.

Lucas desceu da garupa da moto e, de capacete, entrou no escritório. Depois de render duas funcionárias, entrou na sala onde estava Joacir e anunciou um falso assalto. Quando o advogado, que estava atrás de sua mesa de trabalho, se agachou para pegar o dinheiro exigido no cofre, Lucas, já prevendo que a vítima estaria de costas e abaixada, atirou.

Depois do crime, Lucas e David fugiram do local pela rota planejada e descartaram a motocicleta e os capacetes em um local ermo, onde seria o ponto de encontro com Abel para fugir no outro veículo. Posteriormente, receberam R$ 7.5 mil de Adelino pela consumação do crime.

Notícias