Grupo RIC lança Construindo Conceitos por uma Santa Catarina Melhor

Presidente Marcello Petrelli apresentou iniciativa, em parceria com governo do Estado e Assembleia Legislativa

Empresários e lideranças políticas estaduais participaram, ontem, do lançamento do evento Construindo Conceitos por uma Santa Catarina Melhor. A iniciativa é do Grupo RIC, em parceria com o governo do Estado e a Assembleia Legislativa. Em almoço na Fiesc (Federação das Indústrias), foi discutido o papel do Estado no enfrentamento da crise econômica e política que o país vive – e também os desafios e meios para superar a situação.

Daniel Queiroz/ND

Presidente executivo do Grupo RIC Santa Catarina, Marcello Corrêa Petrelli, fez o pronunciamento de abertura do evento

A proposta do evento foi mostrar que Santa Catarina é um Estado diferenciado e provocar alianças entre imprensa, empresários, entidades de classe e autoridades públicas. Não de maneira político-partidária, mas em ação coletiva e social, provocando todas as partes para que o Estado catarinense continue sendo referência.

LEIA MAIS

Estratégias para colocar Santa Catarina no radar nacional

Responsabilidade é compartilhada por autoridades e empresários

Panorama Especial: Porque Santa Catarina é diferente

Convicto da importância da participação dos empresários e da necessidade de ações mais efetivas para que o Estado também seja motivado a buscar mudanças e oportunidades de fazer a diferença, o presidente executivo do Grupo RIC Santa Catarina, Marcello Corrêa Petrelli, falou sobre atitudes que norteiam o grupo e sobre a importância do papel da mídia nesse processo de transformação, especialmente quanto a provocar e incentivar ações que desencadeiem mudanças neste processo.

Petrelli destacou ainda as diferenças e qualidades que colocam Santa Catarina em destaque em relação aos demais Estados e afirmou que é hora de avançar. “Não devemos esperar, mas sim agir, aqui e agora. Temos uma imprensa alinhada com esse pensamento, em auxiliar nas mudanças necessárias, provocar reflexão e formar opinião, mostrando o que deve ser mudado”, apontou. Sobre as lideranças, afirmou que é preciso ter coragem para interagir com elas, que é preciso pressionar mais, principalmente motivá-las a realizarem essas mudanças, classificadas como fundamentais.

O presidente apontou as crises econômica e política como questões muitas sérias, porém citou também duas outras crises: a social, em que as pessoas pensam muito no ponto de vista pessoal e pouco na coletividade, e a crise do Estado, a partir de Brasília. Petrelli afirmou que não é possível enxergar, em curto prazo, uma “luz no fim do túnel”, ou nenhum modelo ou ação rápida que venha dos poderes que regem o país. Mas ressaltou que a atitude individual de cada pessoa é o que pode ser a alternativa neste momento. “O que fará diferença para melhor ou pior será o que fazemos agora”, afirmou.

Foco regional do Grupo RIC faz a diferença na qualidade da informação

Sobre a ação do Grupo RIC em Santa Catarina, o presidente executivo, Marcello Corrêa Petrelli, lembrou que o foco regional e a gestão feita por pessoas que moram na região e conhecem a realidade local fazem a diferença na qualidade das informações que chegam aos catarinenses. Ele disse que são pessoas que têm orgulho de falar sobre o que há de melhor para a região e que essa mídia regional também é responsável por essa diferenciação que Santa Catarina tem como um Estado melhor para os catarinenses.

“Desta forma é possível construir uma percepção diferente dos catarinenses em relação ao nosso Estado. Esse é um grande serviço que a mídia regional presta, mudar essa percepção sobre o que está acontecendo, motivando e avançando. É o papel motivador e agregador da mídia regional”, definiu.

Petrelli adiantou ainda que, em breve, será lançado um projeto que estimula as crianças a darem “cartão vermelho” para coisas erradas. O modelo foi concebido a partir de Bogotá, na Colômbia, que mudou graças às atitudes das crianças. “Este projeto não pretende ser da RIC, mas sim de todos, sem marca e sem patrocínios. Esta atitude, entre várias outras, se refere a agirmos para a terceira crise que falei anteriormente, a crise social, que pode ser minimizada aqui em Santa Catarina”, apontou.

+

Novidades Grupo ND

Loading...