Haddad e Amoêdo disputam eleitores que mais compartilham notícias de política na internet

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Os brasileiros que declaram voto nos presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e João Amoêdo (Novo) são os que mais compartilham notícias sobre política e eleições nas redes sociais Facebook e WhatsApp, segundo levantamento do Datafolha.

Entre os eleitores do vice de Lula, que está preso, com acesso à internet, 67% têm conta no Facebook, e 38% deles dizem compartilhar noticiário político-eleitoral na plataforma. Quando o candidato é o político do Novo, os números para a mesma rede social mudam para 70% e 35%, respectivamente. 

Haddad e Amoêdo - Antonio Cruz/Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Haddad e Amoêdo – Antonio Cruz/Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Quando a rede social é o WhatsApp, dos 79% que declaram voto em Amoêdo e usam o aplicativo, 38% dizem compartilhar notícias de cunho político. Quando o nome é Haddad, os números caem para 73% e 34%, respectivamente. 

O Datafolha ouviu 8.433 pessoas em 313 municípios, de 20 a 21 de agosto. A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais para mais ou menos. O nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado na Justiça Eleitoral sob o protocolo BR 04023/2018. 

Na corrida presidencial sem Lula no páreo, Haddad tem 4% das intenções de voto, enquanto Amoêdo tem 2%, também segundo o Datafolha.  

O Datafolha também ouviu eleitores num cenário com Lula. Segundo o instituto, dos 77% de eleitores de Amoêdo com conta no Facebook, 38% dizem compartilhar notícias sobre política. No WhatsApp, estes números mudam para 85% e 41%, respectivamente. 

Neste cenário, quem disputa com o presidenciável do Novo o engajamento de internautas é  Jair Bolsonaro (PSL). Entre os eleitores do deputado federal com acesso à internet, 71% têm conta no Facebook, e 30% deles dizem compartilhar noticiário político-eleitoral na plataforma; 79% têm conta no WhatsApp, e 31% declaram disseminar o conteúdo.

Nesta lista, o candidato do PT aparece atrás de nomes como Cabo Daciolo (Patriota) e Guilherme Boulos (PSOL). No Facebook, dos 51% de eleitores de Lula com conta na rede social, 20% dizem compartilhar notícias de política. No WhatsApp, os números mudam para 56% e 18%. 

No Facebook, Boulos tem eleitores mais engajados que Daciolo, já que dos 58% com conta na rede social, 28% compartilham notícias de cunho político. Já o candiado do Patriota, os números são 58% e 26%, respectivamente.  Quando a rede social é o WhatsApp, Daciolo tem 67% dos eleitores com conta, sendo que, desse total, 36% compartilham notícias de política. Boulos tem a mesma porcentagem de eleitores com acesso ao aplicativo de mensagens instantâneas, 67%, mas apenas 29% dizem compartilhar notícias sobre política.  

Num cenário com Lula, tanto Boulos como Daciolo têm 1% das intenções de voto, também de acordo com o Datafolha. 

WhatsApp do Novo

Na semana passada, dois candidatos do partido Novo tiveram listas de transmissão do WhatsApp apagadas, e seus números banidos do aplicativo. Listas de transmissão são grupos que recebem mensagens de um único número, diferente dos grupos, onde todos os números enviam e recebem mensagens.

Vinicius Poit, candidato a deputado federal, e Daniel José, que disputa vaga no Legislativo estadual, dizem que foram informados por uma mensagem automática do aplicativo. “Seu número de telefone está banido de usar o WhatsApp, por favor contate o suporte para assistência.”

Poit desconfia que houve sabotagem política. “A gente nunca violou os termos. Eu produzo os vídeos há mais de um ano. Dias depois que anuncio minha candidatura, juntamente com o Daniel, fomos alvo de denúncias de spam. Eu acredito que foram denúncias em massa com motivação política, por adversários.”

Eleições 2018