Helicópteros da PM devem voltar a operar após reposição de peças e renovação de seguro

Os três helicópteros da Polícia Militar, o Koala que fica sediado em Florianópolis e os dois esquilos, um Lages e outro em Joinville, devem retornar a operar somente após as apólices de seguro ser renovada e efetuado a reposição de peças. As três aeronaves empregadas em operações policiais, em transporte de pessoas doentes e órgãos para implante estão inoperantes há vários dias. 

O Koala, por exemplo, não decola desde o início de agosto. O motivo é a falta de recursos para cobrir o contrato de seguro e reposição de peças.  Além dos helicópteros, um avião Seneca e outro Corisco, que também integram o BAPM ( Batalhão de Aviação da Polícia Militar) estão parados no hangar da PM por conta das mesmas justificativas. 

Por falta de verba, além da renovação de seguro aeronáutico das aeronaves, também não há dinheiro para o combustível dos helicópteros e dos aviões. Os recursos são repassados por meio da Secretaria da Fazenda estadual. De acordo com a assessoria da Fazenda, o cronograma de repasses vem sendo cumpridos (veja quadro ao lado).  Na última terça-feira foram repassados à PM mais de R$ 823 mil.

Em nota, a assessoria da PM afirmou que após a liberação de recursos, a renovação dos seguros das aeronaves estão sendo concluídas. Somente o helicóptero Esquilo, que está em Joinville deve voar na sexta, se o seguro for renovado. Os demais precisam repor peças. Em relação aos aviões, um está aguardando a peça consertada fora do país e outro depende da renovação do seguro para sexta-feira (22).

Mais conteúdo sobre

Polícia