Homem é condenado a 24 anos de prisão por matar ex-companheira, em Laguna

Atualizado

Renato Pedro Demétrio foi condenado a 24 anos de prisão pelo feminicídio de sua ex-companheira, em sessão do Tribunal do Júri da Comarca de Laguna realizada nesta terça-feira (9).

De acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a vítima foi morta a pauladas no dia 16 de outubro de 2018, no bairro Barbacena, em Laguna. O crime ocorreu na frente dos filhos de Camila, com idades de 2, 3 e 12 anos.

Camila sofreu afundamento no crânio e não resistiu aos ferimentos – Reprodução/RICTV/ND

Leia também

Conforme sustentou no julgamento o promotor de Justiça André Ghiggi Caetano da Silva, o Conselho de Sentença considerou o réu culpado de homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, pelo recurso que dificultou a defesa da vítima e pelo feminicídio. Teve, ainda, como causa de aumento de pena, a prática do crime na presença dos filhos da vítima e o reconhecimento do meio cruel.

A pena aplicada pelo Juízo do Tribunal do Júri da Comarca de Laguna foi de 24 anos de reclusão, em regime inicial fechado. Preso preventivamente desde a fase de investigação do crime, o réu não terá o direito de recorrer em liberdade. A decisão é passível de recurso.

Filha da vítima foi quem acionou a polícia

A denúncia do Ministério Público relatou que, em outubro de 2018, inconformado com o término do relacionamento conturbado que mantinha com Camila Silva Alves há cerca de um ano, dirigiu-se até a residência de sua ex-companheira e, na frente dos filhos da vítima, desferiu-lhe golpes com um pedaço de madeira em diversas partes do corpo, inclusive na região da cabeça.

Segundo a polícia, a filha da vítima foi quem acionou os policiais. Camila Silva Alves foi encontrada desacordada com ferimentos na cabeça e nos braços. Ela foi socorrida e encaminhada para o  Pronto Socorro,  mas, devido à gravidade dos ferimentos, foi transferida para o Hospital Nossa Senhora da Coinceição, de Tubarão.

Ela teve afundamento no crânio e diversas outras lesões. Depois de seis dias internada, Camila não resistiu aos ferimentos e morreu no dia 22 de Outubro de 2018.

Renato foi encontrado no mesmo dia dos fatos, escondido aos fundos de um rancho na casa dos pais. Ele foi preso no mesmo dia. Ele já tinha passagens por violência doméstica.

Mais conteúdo sobre

Polícia