Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, sofre com lotação em UTI

Atualizado

A Prefeitura de Balneário Camboriú informou na sexta-feira (22), que o Hospital Ruth Cardoso estava com o setor da emergência e UTIs (Unidade de Tratamento Intensivo) lotados. No entanto, o problema vem sendo recorrente na unidade de saúde.

Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, sofre com lotação de UTIs- Foto: RICTV/Reprodução

De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Balneário Camboriú, o fato é uma “cena normal” na unidade hospitalar. Isso ocorre porque o Hospital Ruth Cardoso também recebe pacientes de outras cidades.

“O maior problema está na UTI comum. Isso não vem sendo um problema de hoje porque o hospital recebe pacientes de todas as regiões. No momento, a maioria que está em tratamento intensivo é de outras cidades”, explicou a coordenadora da comunicação, Carol Poerner.

Leia também: 

No total, o Hospital Ruth Cardoso conta com 10 leitos de UTI (Unidade de Pronto Atendimento) para cuidar de casos em geral. Segundo Carol Poerner, a unidade recebe diversos atendimentos de problemas cardíacos e precisa de internação.

Além disso, o hospital conta com apenas dois leitos para Pronto Atendimento, que estão sendo ocupados na noite deste sábado (23). Ou seja, caso alguém seja encaminhado para a unidade hospitalar para o Pronto Atendimento, terá que esperar no corredor.

Na  sexta-feira (22), toda a equipe de médicos e enfermeiros estavam dedicados exclusivamente ao atendimento de cinco pacientes em estado grave. Dessa forma, ficando impossibilitado de dar atenção aos demais pacientes que aguardavam no corredor.

Segundo a comunicação da Prefeitura de Balneário Camboriú, o Governo Estadual já foi avisado do problema. No entanto, ainda não houve nenhuma resposta para solucionar a superlotação dos hospitais da região.

UTI para Covid-19

As Unidades de Tratamento Intensivo voltado para os cuidados de pacientes com a Covid-19 estão em uma ala em separado. No total, o hospital conta com 20 leitos, onde nove são cadastrados no Ministério Público, ou seja, recebe verba do Governo Federal. No entanto, a expectativa é que logo os outros 11 sejam cadastrados.

Até o momento, a ocupação dos leitos voltados para o tratamento do coronavírus segue controlado com apenas oito leitos sendo ocupados do total de 20 disponibilizados.

Saúde