Infraestrutura do Porto de Shanghai impressiona integrantes da missão da Fiesc à China

Divulgação/ND

Shanghai movimenta 200 milhões de toneladas em mercadorias por ano

A Missão Empresarial Brasileira à China visitou ontem o porto de Shanghai, na costa central do país asiático, o maior terminal em movimentação de cargas do mundo.  Cerca de 200 milhões de toneladas de mercadorias passam anualmente pelo local. Para se ter uma ideia do tamanho do complexo portuário, o porto de Itajaí, em Santa Catarina, operou em 2010 3,6 milhões de toneladas.

O empresário Luciano Philippi, integrante da comitiva, trabalha com contêineres e cargas no município de Itajaí e destacou a falta de infraestrutura portuária no Brasil. “A diferença entre o porto de Shanghai e os que temos no Brasil é em relação ao tamanho e a capacidade operacional. E também o entorno do porto, a infraestrutura, principalmente os acessos que foram muito bem feitos e reduzem o tempo, os gastos para levar ou retirar o contêiner. A maior diferença não está no porto, mas no entorno da atividade portuária”, avalia.

O porto é público e foi construído em uma ilha, chamada Yangshan, que abrigava uma vila de pescadores. Toda a obra, incluindo a gigantesca ponte de 32 quilômetros de extensão que liga o continente à ilha, ficou pronta em apenas quatro anos. O que mostra a força e o desenvolvimento da China, na avaliação do líder da missão, o vice-presidente da Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina), Mario de Aguiar.

“Tudo na China é grandioso. Por mais que as pessoas comentem, você só tem essa noção quando chega aqui. É impressionante a agilidade que eles têm para fazer as coisas. No Brasil, temos uma grande dificuldade com legislação ambiental, com audiências públicas. Aqui, se eles resolvem fazer uma obra, eles fazem. O que impressiona também é que fazem com recursos próprios, não há endividamento do Estado. Os investimentos em infraestrutura que eles fazem aqui não se comparam a lugar nenhum do mundo”, diz Aguiar.

* A repórter integra a Missão Empresarial Brasileira à China a convite da Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina)

Huawei tem 140 filiais pelo mundo
Mais cedo, os cerca de 130 integrantes da missão organizada pela Fiesc, visitaram também em Shanghai a multinacional chinesa Huawei, que fabrica equipamentos de tecnologia da informação, como modens, roteadores, celulares e tablets, por exemplo. A Huawei foi fundada em 1988. Hoje tem 120 mil funcionários e, em 2010, fechou o ano com faturamento de US$ 28,5 bilhões. São mais de 140 filiais espalhadas pelo mundo todo e, no Brasil, a empresa tem uma unidade em Campinas (SP).

Integrante da comitiva, o empresário de Curitiba Iverson Renato Antunes, aproveitou a visita para comprar um aparelho celular de última geração, por um preço muito mais em conta. “Há 15 anos, falava-se que no futuro as pessoas não precisariam sair mais de casa para trabalhar, que elas teriam aparelhos com telefone, internet e todo tipo de comunicação unificada. Hoje, percebemos que isso está começando a se tornar realidade. A Huawei se destaca por ter produtos eficientes, com grande capacidade e velocidade, e sempre baixando os custos”, observa Antunes.

Economia