Inscrição no INSS até segunda-feira garante 5 anos a menos de trabalho para se aposentar

As novas regras da aposentadoria começam a valer na próxima terça-feira (12), conforme a promulgação da reforma. Antes disso, no entanto, todo e qualquer brasileiro em idade produtiva deve se ater a um detalhe importante. Aqueles que já estiverem inscritos no INSS, vão ter que trabalhar cinco anos a menos para se aposentar. Como assim?

Homens em idade produtiva têm até segunda-feira para se inscrever no INSS para garantir direito a 15 anos de contribuição, contra 20 anos da regra que vai passar a valer – Foto: Divulgação/ND

20 anos

Quem fizer a inscrição após a promulgação, vai ter que somar 20 anos de contribuição para alcançar a aposentadoria. Entretanto, para os já inscritos – ou  para os que se inscreverem até – preste atenção – a segunda-feira – vai prevalecer o modelo atual, que obriga a 15 anos de contribuição. São cinco anos a menos para a aposentadoria.

Como fazer a inscrição?

O registro no INSS é automático, desde que o trabalhador tenha tido pelo menos um emprego com carteira assinada. No entanto, àqueles que jamais o fizeram ou estão para ingressar no mercado de trabalho, a dica é correr a um posto ou agência do INSS mais próximo e abrir a contribuição.

É o caso da filiação facultativa, na qual o pagamento das mensalidades variam de valor para cada caso.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, durante sessão plenária do Senado – Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/ND

Em resumo, ao fazer a inscrição – desde que até a segunda-feira (11) – , o homem assegura o tempo menor de contribuição. Conforme a regra nova, são cinco anos a menos. Essa inscrição pode ser feita neste link, para aqueles que estiverem interessados.

No ato da inscrição, o afiliado terá que imprimir um boleto. Mesmo que a data do vencimento seja posterior ao dia 12/11, a filiação estará garantida, pois o que vale é a data da inscrição.

Vale lembrar que esse prazo de 20 anos, que começará a valer a partir de terça-feira que vem, diz respeito apenas ao caso dos homens. O prazo das mulheres, no entanto, já funciona com 15 anos de contribuição.

Leia também

Economia