Jeduca: não existe um único método para aprendizado na educação infantil

Atualizado

Discussão movimentou a terceira edição do Congresso Internacional de Jornalismo de Educação – Divulgação/ND

Com discussões a nível nacional sobre mudanças para um novo método de alfabetização no Brasil, educadoras apresentaram suas práticas pedagógicas em escolas no Brasil e que, para além de mudanças no ensino, é preciso avaliar os resultados. O tema fez parte da palestra “Alfabetização na prática: como trabalham os professores” que teve a presença de Ticiane Maria de Souza Silva, especialista em Gestão Escolar e em Educação Infantil, e Mirlene Barcelos, que há seis anos participa do Núcleo de Alfabetização e Letramento, em Minas Gerais. 

Leia também:

“A política nacional de alfabetização vem se aproximando muito de estimular para que se tenha um método específico para o ensino. Eu penso que a gente precisa focar no que é essencial: políticas públicas de qualidade, formação de professor, decisão de rede. Esse é o caminho”, comentou a educadora Ticiane que compartilhou as práticas pedagógicas desenvolvidas na cidade de Sobral, em Fortaleza, que na última avaliação feita pelo índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) alcançou a nota 9,1 e colocou a cidade com a melhor rede pública do país. 

Para Mirlene, que compartilhou a realidade do ensino público na rede de ensino de Minas Gerais, a educação no Brasil passa por uma doença grave e que ditar novos métodos no ensino não deve ser de cima para baixo. “Eles (Ministério da Educação) têm que conhecer a realidade para fazer parte desse contexto, porque é mais um (método) jogado dentro das escolas para ser cumprido e o resultado, que é o mais importante, a gente não vai alcançar”, avalia.

Preocupadas com a maneira de se trabalhar a alfabetização da educação infantil, as educadoras entendem, dentro das suas realidades, que não é apenas o professor que ensina, mas toda uma rede de apoio que dá o suporte e o amparo para a efetividade do ensino. “Para que saia do papel e se tenha uma alfabetização de qualidade, é necessário investimento que é fruto de uma decisão política”, ressaltou Ticiane. 

REVISTA ITS PRESENTE NAS ESCOLAS

Presente no cotidiano da vida escolar, a revista its é um canal exclusivo para divulgar o que de melhor acontece dentro das escolas e mostrar, para além da comunidade escolar, as práticas e iniciativas pedagógicas que precisam ganhar força fora dos muros escolares. Atualmente, a revista its teens circula nas escolas da rede municipal de ensino de Joinville. 

A realidade dessa parceria com as unidades escolares do Norte do nosso Estado é o sonho de educadores do Brasil. “Se eu pudesse dizer o que eu gostaria de ver no jornal, eu gostaria de ver a realidade da sala de aula de um professor. Mostrar quem faz, porque se o resultado é bom e se o Ideb é alto, o professor não aparece, é sempre a Secretaria de Educação do município”, desabafou Mirlene Barcelos, educadora no município de Lagoa Santa, em Minas Gerais.  

GRUPO RIC NO CONGRESSO

Este é o terceiro ano que a revista its marca presença do Congresso de Jornalismo de Educação e o segundo que participa por meio de uma seleção feita pela organização do evento. Em Santa Catarina, o Grupo RIC foi o único veículo selecionado a ter representante no evento. 

O congresso é organizado pela Associação de Jornalistas de Educação, a Jeduca. 

Mais conteúdo sobre

Educação