Joinville se destaca pela gastronomia, dança e turismo rural

Atualizado

Se a história conta que a cidade de Joinville foi um dote de casamento entre a princesa Francisca de Bragança e o príncipe francês François Ferdinand Philiippe Louis Marie, a mesma comprova que eles sequer nem colocaram os pés na cidade. Uma pena, diga-se de passagem: o presente que eles nem chegaram a conhecer é a maior cidade de Santa Catarina, com mais de 600 mil habitantes e a terceira do Sul do Brasil.
Mas a cidade não é destaque como rota de inverno apenas por seu tamanho. Joinville é famosa por seus fortes traços europeus, presentes logo na entrada da cidade, em um pórtico no estilo enxaimel; pelo turismo rural e uma gastronomia que agrada o paladar e também ao bolso. Conheça abaixo algumas atrações para curtir a estação mais fria do ano na cidade.

Traços europeus característicos da cidade são notados em pórtico logo na entrada – Markito/Santur/Divulgação/ND

Festival de dança

Por onde se anda na cidade no mês de julho é fácil saber quem é turista. Isso porque a postura correta, os olhares curiosos para Joinville e o celular na mão para registrar a cidade e fazer as famosas selfies revelam que o Festival de Dança chegou. O mês do evento é o que mais atrai turistas no município, movimenta o setor de hotelaria e a economia local. Com mais de 7.000 bailarinos de Norte a Sul do Brasil e até de fora que passam pela cidade nesse período, o maior festival de dança do mundo chega a sua 37ª edição e segue no Guiness Book como destaque pelo alto número de participantes. Ao todo, são 11 dias de apresentações que vão do balé clássico a danças urbanas em noites de espetáculos que lotam o Centreventos Cau Hansen.

Festival de Dança de Joinvillechega a sua 37ª edição e segue no Guiness Book como destaque pelo alto número de participantes – Markito/Santur/Divulgação/ND

Turismo rural

Passear pela zona rural da cidade é sentir o ar puro da natureza, apreciar o canto dos pássaros e ver que a vida desse lado é um refúgio para quem quer sair da correria da vida urbana. Em Joinville, a Estrada Bonita tem cinco quilômetros de comprimento e quem passa por lá aproveita a gastronomia, o turismo local e pode se hospedar em hotéis e pousadas para aproveitar bem o dia e descansar na região.

Em Joinville, a Estrada Bonita tem cinco quilômetros de comprimento e quem passa por lá aproveita a gastronomia, o turismo local e pode se hospedar em hotéis e pousadas – Markito/Santur/Divulgação/ND

Zoobotânico e mirante

Dois pontos turísticos da cidade se encontram em um mesmo local: o zoobotânico virou espaço de lazer para as famílias com um imenso espaço para o contato com a natureza e, de quebra, está no início da caminhada para quem deseja ver a cidade do alto. O mirante de Joinville é, também, um espaço para a prática de atividade física. Com trajeto em torno de 2,3 quilômetros, é aberto todos os dias, das 6h às 20h, e pode ser acessado a pé, de bicicleta ou pelo transporte público. A recompensa por chegar ao topo é dada de graça com uma vista por toda a cidade. De quebra, é possível ver a Baía da Babitonga e a Serra do Mar.

Dois pontos turísticos da cidade se encontram em um mesmo local: o zoobotânico virou espaço de lazer para as famílias e, de quebra, está no início da caminhada para quem deseja ver a cidade do alto. – Markito/Santur/Divulgação/ND

Turismo