Juiz dá bronca em doleira que se exibiu tirando tornozeleira eletrônica

Atualizado

O juiz da Vara de Execuções Penais de Curitiba, Danilo Pereira Júnior, repreendeu a doleira Nelma Kodama, por publicar vídeo em que retira sua tornozeleira eletrônica em uma rede social. Ela teve a pena de 15 anos de prisão decretada na Operação Lava Jato extinta, graças ao indulto natalino concedido no final de 2017 pelo ex-presidente Michel Temer.

Nelma Kodama teve a pena de 15 anos reclusão extinta no final de 2017 – Reprodução/Instagram

Nelma tem publicado fotos de sua tornozeleira na rede social. Em uma delas, veste um vestido vermelho, e está na ponta dos pés – ao lado, um sapato Chanel.

Ela também publicou foto da retirada do equipamento. Seus amigos e seguidores comentaram. “Amém senhor”, disse um deles. “Eita: agora ninguém segura”, prevê outro.

Após a publicação, o magistrado da 12ª Vara Federal do Paraná afirmou que, com “a divulgação de vídeo retratando o rompimento do lacre da tornozeleira eletrônica, Nelma presta um desserviço à sociedade brasileira”.

“A atitude, longe de perpassar pela liberdade de expressão, a todos assegurada constitucionalmente, configura inegável comportamento antiético e ofensivo à dignidade de Justiça”, anotou.

Segundo ele, “cabe lembrar que, embora extinta a sua pena privativa liberdade, a executada permanece vinculada aos termos do seu acordo de colaboração premiada, sendo imprescindível que mantenha conduta compatível com seu status de colaboradora”.

A doleira foi presa no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos/Cumbica, na madrugada de 15 de março de 2014, quando tentava embarcar para Milão com 200 mil euros escondidos na calcinha.

Entre suas emblemáticas aparições, está um depoimento à CPI da Petrobras em 2015, em que cantarolou trecho de “Amada Amante”, sucesso do Rei Roberto Carlos em 1971, para explicar como era sua relação com o doleiro Alberto Youssef.

“Sob meu ponto de vista, eu vivi maritalmente com Alberto Youssef do ano de 2000 a 2009. Amante é uma palavra que engloba tudo, né? Amante é esposa, amante é amiga”, disse. “Tem até uma música do Roberto Carlos: a amada amante, a amada amante. Não é verdade? Quer coisa mais bonita que ser amante? Você ter uma amante que você pode contar com ela, ser amiga dela”, disse, durante o depoimento.

Em seguida, a doleira cantou “Amada Amante”.

A reportagem não localizou a defesa de Nelma Kodama.

Justiça