Justiça acata pedido e ordena mais investigação sobre atropelamento fatal na Tapera

Inquérito está incompleto, diz Ministério Público. Mas prazo para novas diligências é curto: apenas três dias

A Justiça acatou o pedido do MP/SC (Ministério Público de Santa Catarina) para que a Polícia Civil realize novas diligências no inquérito que apura a morte de Edvaldo Veloso Amaro, 20, atropelado e morto pelo empresário Raulino Jacó Bruning Filho, 33, na manhã de terça-feira na rodovia Açoriana, na Tapera, em Florianópolis.

:: Motorista que atropelou três na Tapera é transferido para Itajaí

Marco Santiago/ND

MP requereu vistoria para saber exatamente quando a camionete sofreu danos

Formalizado nesta quinta-feira, o requerimento do MP/SC pede que haja a oitiva de testemunhas, a juntada de documentos e a confecção de novos laudos em 10 pontos que o promotor Wilson Paulo Mendonça Neto elencou como “providências faltantes” ao processo em curso.

Horas depois o juiz Paulo Marcos de Farias acatou o pedido, mas mudou o prazo para realização das diligências, de 10 dias — a partir da data do crime — para três dias, devido ao fato de o acusado estar preso.

Diante do prazo exíguo, a reportagem entrou em contato com o delegado Cléber Serrano, da Central de Plantão Policial e responsável pela prisão em flagrante de Raulino, mas descobriu que ele não está mais no comando do caso. As diligências requisitadas pela Justiça serão cumpridas pela delegada Ester Fernanda Coelho, titular da 2° DP, na Tapera.

Questionada sobre as diligências que terão que ser concluídas até a próxima terça-feira (16), Ester admitiu que será “complicado” cumprir o prazo judicial.

“O mais difícil serão os laudos, que dependem do IGP (Instituto Geral de Perícias) e costumam levar sete dias para ficarem prontos. Também não sei se será possível ouvir uma das vítimas, que está mal no hospital. De qualquer forma, vou enviar ofícios para os órgãos e comunicar do prazo, que faremos de tudo para cumprir”, avisou Ester.

No acidente, além da morte de Edvaldo, a mulher dele, Camila Franceschetti, 18, sofreu luxações nos braços. A faxineira Rosângela Wosiaki, 48, ficou gravemente ferida e segue internada na UTI do hospital Celso Ramos, sem previsão de receber alta.

Já Raulino foi preso em flagrante, em casa, depois de fugir do local sem prestar socorro. Ele foi indiciado por homicídio doloso, lesão corporal dolosa, crime de embriaguez ao volante e omissão de socorro, e se recusou a fazer exame de sangue para verificar se havia utilizado outros tipos de drogas.

Diligências requeridas pelo MP/SC

a) A oitiva das vítimas sobreviventes Rosangela Wosiak e Camila Franceschetti [ref. p. 2-3] – visando esclarecer a dinâmica dos fatos;

b) A oitiva do policial rodoviário estadual – Sg. Machado para que esclareça o que sabe dos fatos;

c) A juntada de eventuais prontuários médicos e demais exames realizados por ocasião de eventual atendimento médico às vítimas sobreviventes;

d) A confecção do laudo pericial cadavérico no ofendido – Edvaldo Veloso Amaro [que deve ser instruído com croqui dos ferimentos e fotografias];

e) A confecção dos laudo periciais de lesão corporal nas vítimas Rosangela Wosiak e Camila Franceschetti, [que também devem ser instruídos com croqui dos ferimentos e fotografias];

f) A confecção de laudo pericial de levantamento de local dos fatos [que deve ser instruído com croqui e fotografias]; se possível, deve-se indicar a posição das vítimas na ocasião do impacto [com base nas informações coletadas no APF], bem assim a velocidade permitida para o lugar;

g) A confecção de laudo pericial para aferição da velocidade do automotor apreendido na ocasião do abalroamento; se possível, deve ser esclarecido se os danos no veículo foram provenientes do impacto contra as vítimas, ou se existiam avarias anteriores no automotor;

h) Novas diligências no sentido de localizar e ouvir, junto ao local dos fatos, eventuais testemunhas que possam contribuir para o esclarecimento do ocorrido; se necessário, utilizando-se do provimento que resguarda a identificação dos testigos;

i) A juntada do boletim de atendimento da polícia militar;

j) Outras diligências que entender pertinentes para o melhor esclarecimento do ocorrido.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...