Justiça nega pedido de libertação de acusado de matar Gabriella Custódio, em Joinville

Atualizado

O TJ-SC (Tribunal de Justiça de Santa Catarina) negou a liminar que pedia a libertação de Leonardo Natan Chaves Martins, acusado de matar a namorada, Gabriella Custódio da Silva com um tiro no peito, em Joinville. O suspeito está detido no Presídio Regional do município, desde o dia 9 de agosto.

Leonardo é acusado de matar a namorada com um tiro no peito – Reprodução/Facebook

No pedido, a defesa alegou que Leonardo colaborou com todas as investigações e não foi o responsável por ocultar a arma usada no crime. Mas, segundo a polícia, a pistola teria sido jogada por ele, com a ajuda do pai, no Canal do Linguado, enquanto fugia para São Francisco do Sul.

Além disso, os advogados afirmam que Leonardo fugiu com o intuito de garantir “o respeito a sua integridade física, já que o caso tomou grandes proporções”.

Porém, para o desembargador Antônio Zoldan da Veiga, “a alteração repentina de cidade seja fruto do receio de atentados contra a integridade física”, do suspeito.

O documento ainda ressalta que a decisão está baseada nas provas coletadas durante a investigação e que são judicialmente válidas para o decreto da prisão.

Relembre o caso

O crime aconteceu no dia 23 de julho, no distrito de Pirabeiraba, em Joinville. Segundo Leonardo, o tiro teria sido acidental, enquanto ele mostrava a arma para a namorada.

Com o fim do inquérito, ele foi indiciado pelo crime de feminicídio. O pai do suspeito, que é o dono da pistola, também vai responder pelo crime de posse ilegal de arma.

Leia também:

Justiça