Laudo define nesta semana se incêndios no Tabuleiro são criminosos

Há fortes indícios de que a série de incêndios que atinge o Parque Estadual da Serra do Tabuleiro desde o mês de setembro sejam criminosos. Foram cinco grandes incêndios no último um mês e meio, contando a partir do dia 2 de setembro.

Desde o início de setembro, mais de 1.000 hectares de vegetação foram consumidos pelo fogo – Foto: Corpo de Bombeiros Militar/Divulgação/ND

O delegado Diego Parma, responsável pelas investigações, afirmou que a Polícia Civil ainda aguarda a conclusão do laudo do IGP (Instituto Geral de Perícias) para dar sequência às investigações.

Parma afirmou que um inquérito já foi instaurado para investigar a causa dos incêndios, sobretudo o de maior proporção, que devastou mais de 800 hectares de vegetação.

Leia também:

O delegado ainda afirmou que nessa segunda-feira (14) esteve em contato com o IGP e o laudo sobre os incêndios deverá ficar pronto ainda nesta semana.

Até o momento, Parma já ouviu bombeiros, policiais militares ambientais e também moradores da região. Mas, afirmou que apenas depois do laudo do IGP, quantificando o dano, será possível seguir com as diligências e investigações.

Por enquanto, o delegado e outros policiais civis já estiveram no local para investigações prévias e algumas diligências foram feitas. Entretanto, ainda não é possível cravar que realmente foram incêndios criminosos.

Já para o coordenador do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, Carlos Cassine, os indícios de que os incêndios foram criminosos são fortes.

Em entrevista recente para o ND+, Cassine afirmou que os incêndios tinham vários focos diferentes, o que é incomum em casos acidentais. Também disse que a velocidade de propagação do fogo, em um dos incêndios, reforça essa suspeita.

“Ás vezes temos alguns casos recorrentes de incêndio, mas assim é demais. Parece que a intenção é queimar tudo mesmo, antes não era assim. Antes era mais para abrir para a pastagem ilegal de gados, mas agora a persistência levanta a suspeita de incêndios criminosos mesmo”, afirmou o coordenador do parque.

Área devastada

Ainda não se sabe exatamente o total da área que foi devastada pelo fogo. A PMA (Polícia Militar Ambiental) afirmou nesta segunda-feira (14) que um levantamento com o total de hectares consumido pelo fogo será feito ainda nesta semana.

Entretanto, Cassine afirmou nesta segunda-feira (14) que neste período, os cinco grandes incêndios acabaram atingindo uma área de mais de 1.000 hectares. Apenas uma das queimadas destruiu uma área de 820 hectares, equivalente a mais de 800 campos de futebol.

Meio Ambiente