Lixo dá lugar à natureza e à arte em áreas revitalizadas na Capital

Atualizado

Prefeitura da Capital contou com apoio da comunidade na revitalização de terreno na comunidade PC3, no Continente – Cristiano Andujar/Divlugação/ND

Onde antes era lixo, hoje há arte, pitanga, ingá, grama, flores. São pontos de encontro da comunidade, humanizados, com planejamento paisagístico, urbanizados. Por meio do projeto Revitaliza Floripa, movimento voltado à recuperação ambiental e sanitária de espaços de uso público e interesse social, a Prefeitura de Florianópolis tem mudado completamente a aparência e uso de locais que antes eram pontos de descarte irregular de resíduos na Capital. A ação integra diversos órgãos municipais e sociedade e prevê a sensibilização social, limpeza, implantação de equipamentos de saneamento ambiental e de lazer para eliminar os pontos de descarte irregular de resíduos.

De acordo com o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, a força-tarefa tem a meta de zerar os pontos de lixo, que chegam a quase 200 na cidade, criando espaços de saúde e lazer que possam ser mantidos pelas comunidades. “Muitos destes locais hoje já foram completamente transformados. Temos cinco ecopontos que foram implantados em pontos estratégicos para evitar o descarte irregular. Esperamos que todos nos ajudem nessa mudança”, afirma.

O presidente da Comcap, Marcio Alves, reforça que nas intervenções do Revitaliza Floripa é fundamental que a comunidade se aproprie do espaço, para atividades de lazer, terapêuticas, de convivência. “Caso as pessoas deixem de usar o espaço, em pouco tempo volta a ser um ponto de descarte irregular de resíduos”, explica.

Produção de lixo

Na capital catarinense, o total de resíduos movimentados pela Comcap em 2018 foi de 209 mil toneladas – Divulgação/ND

O Brasil é o quarto país no mundo que mais produz lixo, de acordo com o estudo Solucionar a Poluição Plástica: Transparência e Responsabilização, feito pelo WWF (Fundo Mundial para a Natureza). São 11.355.220 toneladas e só  1,28% de reciclagem. Está atrás apenas dos Estados Unidos (1º lugar), da China (2º) e da Índia (3º). No país, apontam dados do Banco Mundial, cerca de 7,7 milhões de toneladas de lixo são destinados a aterros sanitários.

Na capital catarinense, o total de resíduos movimentados pela Comcap em 2018 foi de 209 mil toneladas, o que corresponde à média de 18 mil toneladas por mês ou 700 toneladas por dia. Desse total, mais de 12 mil toneladas por ano são materiais recicláveis como papel, vidro, metal e plástico que a população separa para a coleta seletiva. Esse material é doado a 14 associações de triadores – a ACMR (Associação de Coletores de Materiais Recicláveis) é a maior delas e absorve mais da metade do material. A doação gera R$ 4,5 milhões/ano em renda para 842 pessoas direta e indiretamente na Grande Florianópolis.

Pela ação da Comcap, Florianópolis é a capital com maior índice de recuperação de resíduos pela reciclagem e compostagem. Em 2018, 6% de tudo que foi coletado ou entregue à Comcap foi desviado do aterro sanitário e encaminhado para reciclagem e compostagem. Se levar em conta o potencial de reciclagem dos resíduos, esse percentual sobe para um desvio global de 9,47%.

Mural na Beira-Mar Continental

Mural foi implantado onde antes era um ponto de descarte irregular de resíduos na Beira-Mar Continental – Divulgação/ND

Uma das iniciativas realizadas pelo programa é um mural implantado na Beira-Mar Continental, na saída para a rua Santos Saraiva. O local era um dos pontos de descarte irregular de resíduos. “O Revitaliza Floripa transforma pontos de impacto negativo para positivo ao oferecer arte e lazer para a comunidade”, aponta Nilda de OIiveira, diretora de Operações da Comcap.

As obras realizadas no local incluíram assentamento de meios-fios, paisagismo (plantio de grama e flores) e arte mural. O grafite foi feito pelo artista Anderson Luiz Rodrigues, com curadoria de Lena Peixer, viabilizado pela Comap (Comissão de Arte Pública) do Ipuf, a partir da Lei Complementar 001/97. O trabalho também conta com sensibilização dos moradores e empresários do entorno para manter limpa a área. Os comerciantes dos estabelecimentos vizinhos se comprometeram a cuidar da manutenção das plantas, de acordo com informações da Comcap.

 O que foi feito no local

– Limpeza da área, com remoção de resíduos descartados indevidamente

– Colocação dos meios fios para construção dos canteiros

– Preparação da parede para realização da arte mural

– Pintura do fundo da parede

– Pintura da arte mural

– Aterramento dos canteiros

– Plantio de gramas e flores em mutirão esta semana.

Horta comunitária no Continente

Lixo deu lugar ao plantio de frutíferas e hortaliças na horta comunitária da PC3 – Horta comunitária PC3

A rua Nossa Senhora do Rosário, localizada na esquina da praça da comunidade PC3, no Jardim Atlântico, é um dos pontos que mais chamam atenção desde que começou o Revitaliza Floripa. A Prefeitura de Florianópolis revitalizou um terreno baldio de 200m² que estava sendo utilizado como ponto de descarte irregular de lixo e criou no local uma grande horta comunitária, que já é utilizada pela população para o plantio de hortaliças, árvores e frutíferas. No local ainda serão instalados bancos e grafite.

Para a ação, foi feita a limpeza do terreno e preparação do solo e criados três canteiros de 18m²cada. A própria comunidade será responsável pelos vegetais e leguminosos plantados. “Eu vim aqui visitar familiares há alguns anos e voltei agora, fiquei muito impressionada com a mudança. É muito lindo ver a transformação de um local que antes era uma montanha de lixo e agora está aí para a gente usar, para pegar alimentos frescos”, afirma Leonilde Buzinaro.

“Esta horta na frente da comunidade que eu moro há 32 anos é um sonho realizado. Agora teremos amor em forma de alimento em vez de lixo”, acrescenta a líder comunitária Elsa Adão Veloso.

Claudete Maria de Souza Machado mora há 32 anos no bairro e emocionou-se com a ação da Prefeitura de Florianópolis, por meio da Comcap, Floram, CRAS do Jardim Atlântico e Secretaria do Continente. “Passo aqui todos os dias e vejo muito lixo, é triste. Já plantei minha pintagueira e virei todos os dias aqui para regar todas as plantas. Se cada um fizer um pouquinho nossa cidade ficará linda.”

De acordo com a Prefeitura de Florianópolis, o local terá monitoramento e fiscalização para impedir a deposição irregular de lixo. Resíduos volumosos devem ser levados até o Ecoponto de Capoeiras, mantido pela Comcap na Rua Egydio Ferreira, no terminal desativado de Capoeiras.

Comunidade hoje consegue colher alimentos frescos e saudáveis de um local onde antes só existia lixo – Divulgação/ND

Ecopontos da Comcap

A Comcap mantém cinco ecopontos para entrega voluntária de resíduos sólidos em Florianópolis. Três na Ilha de Santa Catarina, no Centro de Valorização de Resíduos (CVR), Itacorubi, no Morro das Pedras, Monte Cristo e em Canasvieiras, e um na porção continental, instalado no Terminal de Capoeiras.

Os resíduos devem ser colocados de forma separada no ecoponto para que a Comcap possa dar o destino final ambientalmente adequado a cada um dos materiais.

ECOPONTO ITACORUBI

(Rodovia Admar Gonzaga, 72)

Todos os dias, das 7h às 19h

(48) 3261 4816

Veja onde é no mapa do Google

ECOPONTO MONTE CRISTO

Rua Joaquim Nabuco, 2.948

Todos os dias, das 7h às 19h

ECOPONTO CAPOEIRAS

(no Terminal de Capoeiras, Rua Professor Egídio Ferreira, s/n)

Todos os dias, das 7h às 19h

(48) 99624 8589

ECOPONTO MORRO DAS PEDRAS

(Rua Francisco Vieira, 198, em frente à Padaria Moreira)

Todos os dias, das 7h às 19h

(48) 3338 4506

ECOPONTO CANASVIEIRAS

(Rua Desembargador Maurílio Coimbra, próximo campo da Amocan)

Segunda a sexta, das 7h às 19h

(48)  3266-1445

Recebe recicláveis secos (vidro e metal), entulho e resíduos orgânicos (restos de comida). Não recebe ainda podas, madeira nem eletroeletrônicos.

O QUE PODE ENTREGAR NO ECOPONTO SEM PAGAR

ELETRÔNICOS

Televisão, monitor, teclado, mouse, celular, impressoras, etc.

Até três unidades

ENTULHO

Resíduos de construção e demolição como tijolos e telhas

Até um metro cúbico (volume de uma caixa d’água de mil litros)

MADEIRA

Até um metro cúbico (volume de uma caixa d’água de mil litros)

PILHAS E BATERIAS

Até 10 unidades

ÓLEO DE COZINHA

Até cinco litros

PNEUS

Até quatro unidades

PODAS DE ÁRVORES

Até um metro cúbico (volume de uma caixa d’água de mil litros)

RECICLÁVEIS

Plástico, papel, metais, arame, vidros, isopor, etc.

Até 500 litros (cinco sacos grandes)

ELETRODOMÉSTICOS

Fogões, geladeiras, condicionadores de ar e etc.

Até dois volumes

VOLUMOSOS

Móveis, sofás, colchões, etc.

Até quatro volumes.

*Ações do Revitaliza Floripa

*Josué di Bernardi, ações contínuas desde outubro, com reunião comunitária em 27 de agosto

*Cabeça do Santo, atrás do Hospital de Caridade, no Mocotó, limpeza e remoção iniciada em 18 de outubro

*Rua Nossa Senhora do Rosário próximo PC3 esquina com Rua Barão Von Wangenhein, mutirão em 20 de outubro

*PC3 com Felipe Neves, mutirão em 30 de outubro

*Abraão entorno do PEV de Vidro, em andamento

*Beira Mar Continental esquina com Santos Saraiva, finalizado.

Conforme determina a Lei Municipal nº 10.199, de 27 de março de 2017, a Prefeitura Municipal de Florianópolis informa que a produção deste conteúdo não teve custo, e sua veiculação custou R$1.000,00 reais neste portal.

Geral