Macaco aparece morto em bairro de Itajaí e levanta suspeitas sobre febre amarela

A Secretaria de Saúde de Itajaí começou a distribuir nesta quinta-feira (4) um comunicado aos moradores do bairro São João para que se vacinem contra a febre amarela. O motivo da orientação foi o encontro de um animal morto na localidade. Um macaco morto foi encontrado por uma moradora do bairro São João no dia 24 de setembro. Ela relatou à Secretaria que ao chegar em casa encontrou seu cão com um sagui morto na boca. Logo após a notificação, a Vigilância Epidemiológica do município, por meio do Núcleo de Controle de Zoonoses, deu início às ações preventivas.

Um macaco sagui foi encontrado morto na região - RIC TV Record/Divulgação/ND
Um macaco sagui foi encontrado morto na região – RIC TV Record/Divulgação/ND

Segundo a Secretaria de Saúde de Itajaí, foi realizada a necropsia do animal e encaminhado o material para análise do Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de Santa Catarina. O resultado do exame ainda não foi divulgado, portanto não há confirmação de febre amarela até o momento. Mesmo assim, a orientação da Dive-SC é que sejam vacinadas contra a doença todas as pessoas que residem em um raio de 300 metros do local do encontro do macaco, na rua Hélio Douat de Menezes, e que nunca tenham se vacinado.

A diretora da Vigilância Epidemiológica de Itajaí, Sandra Ávila, explica que o comunicado para fazer a vacinação está sendo entregue somente para os moradores que residem próximo ao local que o macaco foi encontrado. “A população deve ficar tranquila, pois todos serão vacinados conforme o cronograma estabelecido pela DIVE-SC. Nesse momento, apenas as pessoas que receberam o aviso e ainda não fizeram a vacina contra a febre amarela devem procurar uma unidade de saúde para se vacinar”, orienta Sandra.

De acordo com a diretora, além dos moradores do São João, já estava prevista para este mês a intensificação da vacinação contra febre amarela na área rural do município. Na próxima semana, os moradores começarão a ser avisados para procurar uma unidade de saúde. A partir de dezembro, a previsão é que o restante da população da cidade seja vacinado. “Esse cronograma foi estabelecido justamente para que não faltem insumos”, explica.

Nessas situações e pelo estado de atenção do município em relação ao Aedes aegypti, principal transmissor da doença, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica Estadual (DIVE-SC) recomenda que o caso seja considerado suspeito para febre amarela e que sejam realizadas medidas de prevenção.

Estado em alerta

No dia 26 de setembro, a Dive informou que todos os moradores de Santa Catarina com idade entre 9 meses e 59 anos devem tomar a vacina contra a febre amarela. As pessoas com mais de 60 anos também devem ser imunizadas, desde que sejam avaliadas pelo serviço de saúde para identificar se possuem alguma contraindicação.

A medida é preventiva e foi recomendada pelo Ministério da Saúde (MS) com o objetivo de antecipar a proteção contra a doença para toda a população em caso de aumento da área de circulação do vírus. Até então, 162 municípios catarinenses já integravam a área de recomendação de vacinação.

A ampliação para os demais municípios está sendo realizada de forma gradativa, em seis etapas, com início em setembro de 2018 e previsão de término em fevereiro de 2019. A ampliação foi dividida por áreas geográficas e leva em consideração o corredor ecológico de circulação viral e a população conforme IBGE.

Nos municípios catarinenses em que a ação de ampliação estiver ocorrendo, a vacina contra a febre amarela será oferecida nas unidades de saúde. Nos demais municípios, a vacinação vai continuar ocorrendo nas unidades de referência, para evitar a perda de doses – após abertura do frasco, a utilização da vacina deve ocorrer em até, no máximo, seis horas. A previsão é que 3,3 mil pessoas sejam vacinadas em Santa Catarina contra a febre amarela.

Em todo o estado, segundo o último boletim, no período de 1º de janeiro a 21 de setembro, foram notificados 53 casos suspeitos de febre amarela. Desses, apenas 1 foi confirmado após exames laboratoriais. O caso confirmado de febre amarela é de um residente de Gaspar, com histórico de viagem para Mairiporã(SP), o que caracteriza como sendo um caso importado. A única forma de evitar a febre amarela é através da vacinação. Confira o cronograma de vacinação.

Vacinação

A vacina da febre amarela é a única forma de evitar a transmissão da doença. Devem ser vacinadas com dose única pessoas de nove meses a 59 anos. Quem já tomou a vacina, não precisa se vacinar novamente.

A imunização é contraindicada para crianças menores de seis meses e nos casos de reação anafilática a ovo de galinha e seus derivados. Gestantes, mulheres em período de amamentação, pessoas acima de 60 anos, indivíduos portadores de HIV, pessoas com doenças autoimunes, pacientes com doença neurológica de natureza desmielinizante e pacientes transplantados de células tronco da medula óssea só poderão receber a vacina com prescrição médica.

A Secretaria de Saúde de Itajaí recomenda ainda buscar atendimento médico em caso de febre, dor de cabeça, dor no corpo, dor nas costas, mal estar, calafrios, náuseas, tonturas, dor abdominal ou olhos e pele amarelados.

Mais conteúdo sobre

Estado