Macaco é encontrado morto e acende alerta de febre amarela no Oeste de SC

Atualizado

Um macaco-prego foi encontrado morto na última terça-feira (30) na Linha Perosso, no interior de Planalto Alegre, no Oeste do Estado. O animal estava às margens da SC-283. Após receber a denúncia, duas agentes de endemias foram até o endereço.

Materiais foram coletados do animal para análise em Florianópolis – Prefeitura de Planalto Alegre/Divulgação/ND

“Moradores relataram para nossa agente de saúde que havia um macaco morto no local. Nós fomos até lá e constatamos o animal”, disse a agente de endemia de Planalto Alegre, Mari Angela da Silva Pressi. “Ele não aparentava ter lesões”, completou.

Biólogas da Gerência Regional de Saúde de Chapecó também estiveram no endereço e coletavam materiais para análise laboratorial em Florianópolis. O resultado deve ficar pronto em 30 dias. 

A Vigilância Epidemiológica de Planalto Alegre disse que está realizando o levantamento para verificar a necessidade do bloqueio vacinal num raio de 300 metros. Há pelo menos oito moradores na região onde o animal foi encontrado morto.

Animal não aparentava lesões pelo corpo – Prefeitura de Planalto Alegre/Divulgação/ND

A Dive-SC (Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina) informou que foi notificada nessa quarta-feira (31) sobre a morte do animal, e que o caso está em investigação.  

Febre amarela 

Febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus transmitido picada dos mosquitos infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa. Seus sintomas iniciais são febre com calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores musculares, vômitos e fraqueza. A doença tem importância epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação.

A morte do animal acende uma suspeita de um possível caso de febre amarela, que deve ser investigado pela Dive. No entanto, vale ressaltar que a doença não é transmitida aos seres humanos pelos macacos.

Assim como as pessoas, o animal também é uma vítima e acaba servindo como um sinalizador da doença transmitida somente por mosquitos contaminados. 

Os primatas, neste caso, acabam servindo como hospedeiros do vírus. Por isso a importância dos seres humanos se vacinarem contra a febre amarela para garantir a imunização, já que qualquer pessoa não vacinada corre o risco de contrair a doença.

Casos em SC 

Animal foi encontrado morto às margens da SC-283 – Prefeitura de Planalto Alegre/Divulgação/ND

Em Santa Catarina, segundo o último relatório da Dive, divulgado no dia 5 de julho, três macacos morreram com o vírus da febre amarela.

Os casos foram nos municípios de Garuva, Joinville e Indaial. Se confirmada a morte pela doença, será o primeiro registro no Oeste do Estado. 

Em Joinville, no Norte do Estado, um homem de 36 anos morreu com a doença.

Mais conteúdo sobre

Saúde