Mãe pode ter sido assassinada por “vingança” após morte de bebê em Joinville

Menos de uma semana depois da morte da filha, Helloyse Gabriella Francisco, a mãe, Maria Helena da Silva Francisco Neta, de 20 anos, foi assassinada no quintal da mesma casa, em Joinville, no Norte do Estado.

O crime aconteceu por volta das 19h da noite de Natal, nessa quarta-feira (25), no bairro Ulysses Guimarães, na zona Sul da cidade. De acordo com o delegado Elieser José Bertinotti, ela sequer teve tempo para esboçar uma reação diante do assassino.

Mãe da bebê foi morta com seis tiros no bairro Ulysses Guimarães – Foto: Ricardo Alves/NDTV

“Pela dinâmica, não houve possibilidade nenhuma de defesa”, salienta. Ela foi morta com seis tiros calibre 380, que atingiram abdômen, peito e quadril e caiu já morta, no mesmo local em que estava, no quintal de casa.

“A posição do corpo, a dinâmica que a gente encontrou, tudo isso dá a entender que não houve nem tempo para correr. O atirador chegou, efetuou os disparos e ela caiu no mesmo lugar”, complementa o delegado.

Investigações

As investigações foram iniciadas ainda na noite de quarta-feira e, de acordo com o delegado, uma das principais hipóteses para a motivação da morte de Maria Helena é a morte da filha, que aconteceu no final da tarde de sexta-feira (20).

“Essa é a principal hipótese de motivação, pode ser um desdobramento dessa situação. Alguém, por uma eventual ‘vingança’ pode ter imputado a ela alguma responsabilidade no ato e, em decorrência a isso, acabou praticando um homicídio contra ela”, conta Bertinotti.

Helloyse Gabriella Francisco foi assassinada na semana passada – Foto: Divulgação/ND

Apesar disso, o delegado ressalta que essa é uma das hipóteses que a polícia tem de imediato, mas que ainda será confirmada ou rechaçada durante as investigações do inquérito.

Leia também:

Testemunhas

Algumas testemunhas foram ouvidas pelo delegado e outras ainda devem prestar depoimento. Ele ressalta que todas as pessoas que tenham alguma relação devem ser ouvidas.

Contudo, não foram identificadas testemunhas que possam ter visto o atirador. “Mas nós vamos trabalhar justamente para isso. A investigação vai buscar a identificação da autoria”, destaca.

A Polícia Civil destaca a importância de denúncias anônimas que podem ajudar a identificar o suspeito e auxiliar nas investigações. Qualquer informação é mantida em sigilo e podem ser repassadas pelo Facebook da Delegacia de Homicídios, além do Disque Denúncia 181.

Velório

O velório de Maria Helena deve iniciar na noite desta quinta-feira (26), na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, no Loteamento Juquiá.

O enterro ainda não tem horário definido, mas acontecerá na manhã de sexta-feira (27), no Cemitério do Rio Bonito.

Polícia