Mais de 13 milhões de consumidores devem comprar de última hora

Atualizado

Os próximos dias devem ser de lojas cheias no comércio lojista brasileiro. A pesquisa realizada pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e pelo SPC/Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) estima que mais de 13 milhões de brasileiros têm de comprar os presentes em cima da hora.

Para 46,94% dos lojistas o crescimento será de 5% em SC – Foto: CDL/Arquivo/Reprodução

O levantamento aponta as seguintes justificativas:

  • 48% dos entrevistados ressaltaram que o consumo próximo à data comemorativa ocorrerá devido às promoções;
  • 20% esperaram o pagamento da segunda parcela do 13º salário;
  • 12% defenderam a ausência de tempo;
  • 11% admitiram falta de organização;
  • 10% alegaram preguiça; 
  • 3% vão adiar as compras natalinas para janeiro de 2020, na expectativa de aproveitar as liquidações do comércio.

Trinta por cento dos consumidores se organizaram para garantir os presentes ao longo do mês de novembro e 41% na primeira quinzena de dezembro. Inicialmente a metodologia ocorreu da seguinte forma: foram ouvidas 686 pessoas nas 27 capitais para identificar o percentual de quem pretendia ir às compras no Natal e, após atingido o objetivo, investigou-se em detalhes o comportamento de consumo no Natal.

Leia também:

Expectativa em SC

De acordo com o levantamento realizado pela FCDL/SC (Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Santa Catarina), os lojistas estão otimistas para os últimos dias de venda. A pesquisa foi elaborada junto aos associados de 20 municípios de maior potencial econômico do Estado. A expectativa dos consultados é de que as vendas sejam maiores que o ano anterior.

Para 46,94% dos lojistas o crescimento será de 5%, enquanto 25,51% acreditam em 10%.

“O aumento do nível de confiança dos consumidores e dos empresários, o corte dos juros e o controle da inflação são fatores determinantes para a retomada do consumo das famílias, o que representa maior geração de empregos e um ciclo positivo de crescimento”, considera o presidente da FCDL/SC Ivan Tauffer.

CDL Chapecó

Considerando o aumento do fluxo dos consumidores, a CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas de Chapecó) orienta os seus associados para o atendimento especial aos clientes, com fundamento no Decreto Municipal nº 3.390, de novembro de 1993, que estabelece horário livre para o comércio na cidade de Chapecó.

O presidente da entidade Clóvis Afonso Spohr cabe à decisão individual das empresas.

“A CDL não possui a prerrogativa para determinar horário de funcionamento do comércio em Chapecó. Fica à critério dos lojistas analisar o melhor horário, gerando bons resultados para sua empresa, funcionários e auxiliando os consumidores a poucos dias do Natal”, destaca Spohr.

*Informações MB Comunicação 

Mais conteúdo sobre

Economia