Mais um catarinense é identificado em vídeo de assédio na Rússia

Torcedor Josué Silveira, morador de Palhoça, afirma que não participou da "brincadeira"

Mais um catarinense foi identificado no vídeo que mostra um grupo de brasileiros que ridicularizou uma mulher na Rússia. O torcedor é Josué Silveira, morador de Palhoça, na Grande Florianópolis. Ele aparece no final de um dos vídeos, pulando com o grupo, mas não chega a gritar as palavras ofensivas contra a mulher.

Vídeo viralizou nas redes sociais - Reprodução
Vídeo viralizou nas redes sociais – Reprodução

Em entrevista concedida à RICTV pela internet, o rapaz disse que “foi uma infelicidade estar passando pelo local e me colocar em frente à câmera. Quem me conhece sabe que de machista não tenho nada”. Ele garante que não participou da brincadeira e não teve contato com a suposta vítima. Josué também pediu desculpas à família pela exposição.

O vídeo caiu nas redes sociais e viralizou no primeiro final de semana da Copa na Rússia. Embora os participantes aleguem que se trata de uma brincadeira, a mensagem não foi vista como piada, e sim como assédio e até, supostamente, racismo.

O Ministério Público já entrou no caso e requisitou ao Comando da Polícia Militar a instauração de inquérito policial militar para apurar o envolvimento do PM Eduardo Nunes, de Lages, no vídeo. Ele pode sofrer punições da corporação. O comando da PM vai abrir um processo administrativo disciplinar para apurar a conduta irregular do tenente. A defesa do policial disse, por meio de uma nota, que o comportamento não condiz com a personalidade do tenente e que se trata de uma situação isolada.

Há pelo menos três casos de vídeos de assédio divulgados desde o início do Mundial. Nesta quarta (20), a Latam demitiu o funcionário Felipe Wilson, envolvido em um desses vídeos de assédio moral com russas durante a Copa do Mundo.

Confira a nota, na íntegra, enviada por Josué:

“O que posso dizer é que estou tranquilo . Foi uma infelicidade estar passando pelo local e me colocar em frente a câmera. Quem me conhece sabe que de machista não tenho nada.

Se você notar, no vídeo, não repito as palavras, não participo da brincadeira de mau gosto. Não faria e não faço este tipo de coisa, entro no meio da filmagem e saio antes do final. Não tenho contato com a suposta “vítima”. Não sei quem fez a postagem e a filmagem, porém há de se concordar que se fala muito de exposição da menina, porém quem compartilhou exaustivamente e continua com o assunto tem tanta culpa quanto quem postou. A exposição maior dela quem está fazendo é a Internet e também os veículos de imprensa na busca do tão desejado ‘like’ nesses tempos de redes sociais.

Acho injusto utilizar um frame do video em que apareço e me rotular como agressor. Não reconheço culpa e devo desculpas apenas à minha família pela exposição”

*Com informações da RICTV Record SC.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...