Membros de acampamento pró-Lula relatam tentativa de atropelamento e tiros

Membros do acampamento Marisa Letícia, localizado a cerca de 1 quilômetro da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), relataram que foram vítimas de uma tentativa de atropelamento e de disparo de arma de fogo na manhã desta terça-feira (26).

Acampamento Marisa Letícia, no bairro Santa Cândida, em Curitiba - Gibran Mendes/Fotos Públicas/Divulgação/ND
Acampamento Marisa Letícia, no bairro Santa Cândida, em Curitiba – Gibran Mendes/Fotos Públicas/Divulgação/ND

A organizadora Edna Dantas afirmou que, por volta das 10h25, um homem tentou atropelar um grupo de militantes, deixou o local e retornou portando uma arma. Ela disse que o acampamento é alvo de ataques de “grupos fascistas” com frequência por defender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo Edna, o boletim de ocorrência deve ser registrado nesta quarta (27).

A PM (Polícia Militar) informou que realizou um atendimento inicial no local e que entregou um número de protocolo aos envolvidos. Segundo a corporação, houve uma ligação ao número 190, relatando tiros no acampamento. Chegando lá, os agentes não encontraram o autor ou indícios do crime.

Nas redes sociais do acampamento, integrantes relataram ameaças por parte do motorista, que os teria xingado de vagabundos e prometido matá-los. 

Em nota, a organização da vigília Lula Livre repudiou as supostas tentativas de atropelamento e disparos. “Nos solidarizamos e exigimos a apuração por parte das autoridades e responsabilização dos culpados.”

A Secretaria de Segurança do Paraná não retornou contato da reportagem.

Sem resposta

No dia 28 de abril, duas pessoas ficaram feridas após um ataque a tiros contra o acampamento. Jefferson Lima de Menezes, 38, chegou a ficar internado na UTI, mas conseguiu se recuperar e teve alta. Os culpados ainda não foram identificados.

Em março, um ônibus da caravana do ex-presidente Lula foi atingido por dois tiros no Paraná. A investigação também não conseguiu, até agora, identificar os responsáveis.

Brasil

Membros de acampamento pró-Lula relatam tentativa de atropelamento e tiros

CURITIBA, PR (FOLHAPRESS) – Membros do acampamento Marisa Letícia, localizado a cerca de 1 km da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), relataram que foram vítimas de uma tentativa de atropelamento e de disparo de arma de fogo na manhã desta terça-feira (26).

A organizadora Edna Dantas afirmou à reportagem que, por volta das 10h25, um homem tentou atropelar um grupo de militantes, deixou o local e retornou portando uma arma. Ela disse que o acampamento é alvo de ataques de “grupos fascistas” com frequência por defender o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Segundo Edna, o boletim de ocorrência deve ser registrado nesta quarta (27).

A PM (Polícia Militar) informou que realizou um atendimento inicial no local e que entregou um número de protocolo aos envolvidos. Segundo a corporação, houve uma ligação ao número 190, relatando tiros no acampamento. Chegando lá, os agentes não encontraram o autor ou indícios do crime.

Nas redes sociais do acampamento, integrantes relataram ameaças por parte do motorista, que os teria xingado de vagabundos e prometido matá-los. 

Em nota, a organização da vigília Lula Livre repudiou as supostas tentativas de atropelamento e disparos. “Nos solidarizamos e exigimos a apuração por parte das autoridades e responsabilização dos culpados.”

A Secretaria de Segurança do Paraná ainda não retornou contato da reportagem.

SEM RESPOSTA

No dia 28 de abril, duas pessoas ficaram feridas após um ataque a tiros contra o acampamento. Jefferson Lima de Menezes, 38, chegou a ficar internado na UTI, mas conseguiu se recuperar e teve alta. Os culpados ainda não foram identificados.

Em março, um ônibus da caravana do ex-presidente Lula foi atingido por dois tiros no Paraná. A investigação também não conseguiu, até agora, identificar os responsáveis.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado