Mentor econômico de Bolsonaro vai a hospital, mas não vê candidato

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O economista Paulo Guedes, mentor econômico do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que é colocado pelo candidato como seu ministro da Fazenda em caso de vitória, compareceu ao hospital Albert Einstein neste sábado (8), mas não entrou no quarto para preservar Bolsonaro, que se recupera de facada recebida na quinta (6).

Guedes passou rapidamente pela área de entrevistas sem falar. Já na rua, ignorou diversas perguntas.

Irritado, disse não ter falado com Bolsonaro e não ter nada a dizer.

“Respeitem o cara. Vocês deviam estar atrás de quem fez isso. Respeitem. Eu não subi no quarto, vim só para abraçar a família, justamente por respeito”, disse.

Perguntado sobre aliados que têm gravado vídeos com Bolsonaro na UTI, como o senador Magno Malta (PR-ES), ele balançou a cabeça e disse: “Você é um cara inteligente”, denotando reprovação à atitude.

Sobre a possibilidade de substituir Bolsonaro em debates, ele perguntou “tem cabimento um economista substituir um candidato?”.

Mais conteúdo sobre

Eleições 2018

Nenhum conteúdo encontrado

Mentor econômico de Bolsonaro vai a hospital, mas não vê candidato

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O economista Paulo Guedes, mentor econômico do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que é colocado pelo candidato como seu ministro da Fazenda em caso de vitória, compareceu ao hospital Albert Einstein neste sábado (8), mas não entrou no quarto para preservar Bolsonaro, que se recupera de facada recebida na quinta (6).

Guedes passou rapidamente pela área de entrevistas sem falar. Já na rua, ignorou diversas perguntas.

Irritado, disse não ter falado com Bolsonaro e não ter nada a dizer.

“Respeitem o cara. Vocês deviam estar atrás de quem fez isso. Respeitem. Eu não subi no quarto, vim só para abraçar a família, justamente por respeito”, disse.

Perguntado sobre aliados que têm gravado vídeos com Bolsonaro na UTI, como o senador Magno Malta (PR-ES), ele balançou a cabeça e disse: “Você é um cara inteligente”, denotando reprovação à atitude.

Sobre a possibilidade de substituir Bolsonaro em debates, ele perguntou “tem cabimento um economista substituir um candidato?”.

Mais conteúdo sobre

Jornalismo

Nenhum conteúdo encontrado