Mesmo sem segurança da Polícia Militar Rodoviária, grupos de ciclistas garantem protesto na SC-401

Parte dos ciclistas diz que o protesto será transferido para fevereiro para evitar problemas com o trânsito nesta sexta, enquanto outro grupo diz que a manifestação está mantida

Atualizada às 18h42

Marcado para ocorrer nesta sexta-feira (28), com a concentração a partir das 18h em frente ao Koxixos, na avenida Beira-mar Norte, o protesto de ciclistas contra a insegurança na SC-401, rodovia que leva às praias do Norte da Ilha, foi adiado depois de organizadores e os comandos da PMRv (Polícia Militar Rodoviária) e do 4° Batalhão da PM (Polícia Militar) decidirem em comum acordo de que a realização do evento ao entardecer de uma véspera de fim de semana poderia causar transtornos no trânsito e ainda trazer maior insegurança aos participantes. O protesto, organizado por diferentes grupos de ciclistas de Florianópolis, foi remarcado para o dia 14 de fevereiro, um domingo.

A PMRv já comunicou que não fará a segurança do evento, mas nas redes sociais outros ciclistas garantem que a manifestação está confirmada para começar às 18h desta sexta-feira, com concentração em frente ao Koxixo’s e pedalada até a frente do Centro Administrativo do Governo do Estado. O ato, com mais de 600 pessoas confirmadas no Facebook, é um protesto pela repetição de acidentes fatais envolvendo ciclistas atropelados na via. Em menos de um mês, duas pessoas morreram enquanto pedalavam pela SC-401: o jornalista e empresário Róger Bitencourt, 49, morreu em 27 de dezembro depois de ser atropelado por um motorista embriagado. Na madrugada do último domingo, a auxiliar de cozinha Simoni Bridi morreu no km 18 da rodovia, em Canasvieiras, após ser atropelada por um motorista que fugiu sem prestar socorro.

 Daniel de Araújo Costa, presidente da Via Ciclo Grande Florianópolis, um dos grupos que está participando da organização do ato, revela que esteve reunido nesta quinta-feira com os comandos da PMRv e do 4° Batalhão da PM e as partes chegaram ao consenso de que a manifestação na data e horário marcado inicialmente “poderia prejudicar ainda mais o trânsito e a segurança na rodovia”. “A gente gostaria de fazer nesta sexta, mas não queremos incomodar a sociedade, e isso poderia acabar acontecendo”, conclui Daniel.

Rodrigo Herd, outro organizador da manifestação, diz que o “evento é independente, autônomo e espontâneo”. Ele afirma em rede social que se alguém ou alguma entidade negociou com a polícia, “não esta falando em nome de todos, apenas de si mesmo”. Antes de concluir, ele garante: “Nós iremos fazer o protesto amanhã, com ou sem apoio da polícia, com ou sem apoio das entidades representativas formais de ciclistas”.

Polícia Civil espera que novas imagens coletadas por câmeras de segurança tragam mais indícios do autor de atropelamento que matou ciclista na SC-401

O delegado Alexandre Carvalho, da Central de Polícia do Norte da Ilha, afirma que uma testemunha revelou ter ouvido o estrondo do atropelamento que matou Simoni Bridi, na madrugada do último domingo, na SC-401. Apesar de não presenciar o momento do choque, a testemunha diz ter visto o momento em que o motorista fugiu do local do acidente. O veículo, de acordo com o depoimento, era mesmo um Gol branco com o capô amassado. Agora, Carvalho aguarda a chegada de novas imagens de câmeras de monitoramento solicitadas pela polícia. Nelas, ele espera encontrar novos elementos para confrontar com os depoimentos testemunhais. “Temos um testemunho importante, de alguém que não viu o exato instante do acidente, mas que levantou e viu o momento seguinte. Agora vamos atrás de uma imagem, e depois buscaremos a placa para identificar o autor”, concluiu.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...