Ministro Gilmar Mendes manda soltar dois presos da Lava Jato

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), concedeu habeas corpus aos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita. Eles estavam presos desde agosto do ano passado e são investigados pela operação ‘S.O.S – Fatura Exposta III’, desdobramento da Lava Jato. A decisão é da noite dessa quarta-feira (11).

Defesa recorreu e chegou ao Supremo, que entendeu pela liberdade – Divulgação STF

Em contrapartida, o Supremo impôs medidas cautelares, como a proibição de manter contato com outros investigados no processo e comparecer periodicamente à Justiça. A dupla é acusada pelas supostas práticas de organização criminosa, corrupção ativa, passiva, lavagem de dinheiro e peculato.

A defesa de ambos é capitaneada pelo advogado Marcelo Sedlmayer. Ao R7 Planalto, ele explicou que “o Supremo reconheceu o constrangimento ilegal pelo excesso de prazo, que após um ano da deflagração da operação, sequer iniciou-se a instrução criminal”.

Sedlmayer também diz que “as prisões mostraram-se uma grande aberração, pois eram amparadas em delações premiadas desprovidas de provas e homologadas em dezembro de 2017”.

Os dois empresários estavam presos por decisão da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro por determinação do juiz Marcelo Bretas. A defesa recorreu e chegou ao Supremo, que entendeu pela liberdade.

Mais conteúdo sobre

Justiça