Morador de Florianópolis é alvo de mandado da PF contra tráfico internacional de opióide

Atualizado

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (16) a Operação Ampulla, com o objetivo de desarticular uma quadrilha que traficava o anestésico fentanil para os Estados Unidos. A operação conta com a cooperação da agência norte-americana de combate a drogas, a DEA (Drug Enforcement Administration).

Operação Ampulla foi deflagrada nesta terça-feira pela Polícia Federal – Polícia Federal/Divulgação/ND

Cerca de 40 policiais federais cumprem oito mandados de prisão, sendo três temporárias e cinco preventivas, e nove mandados de busca e apreensão nas cidades de Florianópolis, São José e Tijucas, além de São Paulo (SP) e Itanhaém (SP).

Segundo a PF, um dos mandados de prisão preventiva envolve um morador do bairro Campeche, em Florianópolis, já preso nos Estados Unidos por suspeita de tráfico de fentanil. Com o intuito de remover recursos do grupo criminoso, os agentes buscam apreender um imóvel comercial, avaliado em mais de R$ 1,2 milhão, e alguns veículos.

Alta letalidade

Esse potente anestésico, de alta letalidade quando usado de forma errada, era desviado por funcionários da Santa Casa de Misericórdia, em São Paulo, ou importado da China. Em seguida, era revendido para diversos compradores no Brasil e nos Estados Unidos, país onde o fármaco costuma ser misturado à cocaína e heroína para potencialização, o que tem provocado várias mortes.

Os investigados responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas e de associação para o tráfico, cujas penas máximas somadas podem superar 30 anos de prisão.

Início das investigações

As investigações foram iniciadas a partir da troca de informações entre a agência norte-americana DEA e a PF sobre três encomendas, contendo ampolas de fentanil diluído, enviadas de Florianópolis a Miami, nos Estados Unidos, entre setembro e outubro de 2018. O nome Ampulla faz referência às ampolas apreendidas.

Operação da Polícia Federal conta com a cooperação da agência norte-americana de combate a drogas – Polícia Federal/Divulgação/ND

Essa cooperação policial internacional possibilitou rastrear outras encomendas e negociações de um indivíduo morador do bairro Campeche, que culminaram na apreensão de 2.622 ampolas de fentanil em Balneário Camboriú, no começo do ano. Tal suspeito, posteriormente, acabou sendo preso nos Estados Unidos, onde deve cumprir pena mínima de 15 anos.

Por meio de uma análise da origem das ampolas apreendidas, foi identificado que algumas pertenciam à Santa Casa de Misericórdia em São Paulo, sendo que o aprofundamento da investigação demonstrou que três funcionários daquele estabelecimento hospitalar estariam envolvidos no desvio de fentanil. Além disso, foram desviados outros medicamentos de uso controlado que eram comercializados em sites de vendas na internet.

Leia também:

A investigação também possibilitou identificar e apreender fentanil e Fenacetina importados ilegalmente da China por um dos investigados, o qual contava com o apoio de um funcionário de uma empresa de logística para receber as encomendas. Os pacotes eram endereçados em nome de terceiros.

Fentanil

O fentanil começou a ser usado na década de 1960 como anestésico intravenoso. É um opióide sintético utilizado como medicamento para a dor e que também pode ser usado para a anestesia. É de ação rápida e entre 50 a 100 vezes mais potente que a morfina.

Atualmente o mau uso do fentanil se transformou em um problema de saúde pública nos Estados Unidos, estando relacionado a um número cada vez maior de mortes, dentre as quais a morte do cantor Prince no ano de 2016.

Polícia