Morte de líder indígena Guajajara será investigada pela Polícia Federal

Atualizado

Um indígena morreu e outro foi ferido em uma emboscada de madeireiros no Maranhão, no nordeste do Brasil, informaram autoridades regionais neste sábado (2).

“Os guardiões Paulino e Laércio (Guajajara) deixaram a vila em busca de água quando pelo menos cinco homens armados foram demitidos e dispararam dois tiros contra os povos indígenas”, informou, pelo Twitte,r a Secretaria de Direitos Humanos do Maranhão.

O ataque ocorreu na noite de sexta-feira (1º), na terra indígena de Arariboia, localizada a cerca de 500 quilômetros de São Luís, capital do estado, informou a secretaria.

Liderança indígena da etnia guajajara, Paulo Paulino Guajajara – Foto: Mídia Índia/Divulgação/ND

Paulo Paulino Guajajara, também conhecido como Kwahu Tenetehar, “levou um tiro no pescoço e morreu na selva. Seu colega, Tainaky Tenetehar, levou um tiro nas costas e outro no braço, mas conseguiu escapar”, relatou a ONG Survival International em comunicado neste sábado.

Repercussão

O Greenpeace juntou-se às expressões de pesar ao afirmar que “Paulino e Laércio são as vítimas mais recentes de um Estado que se recusa a cumprir o que determina a constituição”.

“Repudiamos toda a violência gerada pela incapacidade do Estado de cumprir seu dever de proteger este e todos os territórios indígenas do Brasil”, acrescentou a organização.

O Estado do Maranhão é palco de lutas por terras. Nos últimos anos, indígenas de Guajajara criaram o grupo “Guardiões da Selva” para proteger seus territórios contra invasões. A Survival International acompanha o trabalho deste grupo.

A pesquisadora da organização Sarah Shenker esteve na região em abril deste ano e explicou que o trabalho dos Guajajara também é importante para proteger outros povos indígenas da região, como os Awá, que vivem isolados.

“O governo brasileiro tem que aceitar que é sua responsabilidade proteger essas terras. Que sua ausência lá é o que empurra os guardiões a assumirem essa defesa, um trabalho muito difícil e perigoso”, disse Shenker à agência AFP.

Três outros guardiões morreram em ataques anteriores. “Kwahu trabalhou com grande determinação, apesar de tantos obstáculos e recebendo constantes ameaças de morte”, acrescentou Shenker.

Shenker argumenta que, no contexto político do Brasil, os indígenas permanecerão na luta. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro é conhecido por defender a exploração comercial de terras indígenas e áreas preservadas.

“É hora de acabar com esse genocídio institucionalizado. Pare de autorizar o derramamento de sangue de nosso povo!”, disse Sonia Guajajara, coordenadora da Associação dos Povos Indígenas do Brasil, no Twitter, após o crime.

Planalto também se manifestou

As repercussões chegaram ao Palácio do Planalto neste sábado. O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, também se manifestou por meio do Twitter.

“A Polícia Federal irá apurar o assassinato do líder indígena Paulo Paulino Guajajara na terra indígena de Arariboia, no Maranhão. Não pouparemos esforços para levar os responsáveis por este crime grave à Justiça”, escreveu.

Mais conteúdo sobre

Brasil