Ninguém tem razão

Adolescente de 15 anos que deu paulada na cabeça de lutador jamais poderia estar num posto de combustível às 5h30

Sem razão

Não podia deixar de comentar as lamentáveis cenas que rodam o mundo, protagonizadas por jovens no posto de combustível em Camboriú. No calor dos acontecimentos, todos querem apontar os culpados. Cada um vê aquela barbárie por um ponto de vista. Não queria entrar muito nesse mérito dos culpados. Para mim, a partir do momento em que se abandona o diálogo e se parte para agressão, todos perdem a razão.

Reprodução

Ninguém tem razão quando parte para a briga

Absurdo

O que mais me chama atenção nessa história toda é o fato de um dos principais responsáveis pelo atual estado de saúde do lutador Kauê Mena ser um adolescente de 15 anos. Às 5h30 da madrugada, um garoto de 15 anos que deveria estar em casa, dormindo, descansando depois de uma sexta-feira de aula, empunha um pedaço de pau num posto de gasolina, com o objetivo de matar outra pessoa. Onde chegamos?

Maioridade penal

Aí eu me pergunto e pergunto a você, leitor: adianta reduzir a maioridade penal para 16 anos? Não adianta. Pelas leis já existentes, esse garoto não poderia estar onde estava de jeito nenhum. Cadê a fiscalização, o Conselho Tutelar, a polícia, para impedir que adolescentes estejam na rua, em locais onde a venda de bebida alcoólica acontece a torto e a direito? De que adianta mudar as leis, se não conseguimos fazer cumprir as já existentes?

A briga e o MMA

Não é necessário dizer que o comportamento do lutador que deu início a toda a confusão é condenável. Completamente incompatível com a atitude de qualquer atleta, de qualquer modalidade, não só do MMA. Atletas, que zelam pelo próprio nome e pelo bem do esporte que representam, devem ter uma conduta inatacável o tempo inteiro. É assim no MMA, como deve ser no futebol, no vôlei ou em qualquer outro esporte. Atletas são candidatos a ídolos de crianças e jovens e devem servir de exemplos.