Mesmo com presença da PM, Rio Vermelho tem madrugada tensa após invasão de terreno

Moradores da região estão revoltados e tentaram atear fogo no acampamento

Os integrantes da “ocupação Amarildo” enfrentaram uma noite de tumulto no novo espaço ocupado, na rodovia João Gualberto Soares, no bairro do Rio Vermelho. Insatisfeitos com a presença dos novos vizinhos, moradores protestaram e tentaram atear fogo no acampamento. Houve tumulto a partir das 2h desta segunda-feira (21), contido pela Polícia Militar, que está monitorando a movimentação na área.

:: Leia mais: Acampados deixam terreno em Palhoça e invadem área da União no Rio Vermelho, Norte da Ilha

Daniel Queiroz/ND

Situação na manhã desta segunda-feira continua tensa

Por volta das 23h, duas vans com 14 pessoas que deixaram o terreno em Palhoça, para onde haviam sido transferidos os invasores que estavam na SC-401, conseguiram furar o bloqueio feito por policiais. Para facilitar a entrada dos carros, um rapaz de 24 atingiu um policial com um pedaço de madeira de eucalipto. O policial ficou ferido no braço, enquanto o homem correu para dentro da ocupação. Depois de um acordo entre ocupantes e polícia, ele se apresentou na manhã na delegacia móvel instalada às marges da rodovia. Ele vai assinar um Termo Circunstanciado e deve ser liberado.

Antes disso, um acampado acabou sendo atingido na cabeça por uma pedra jogada por moradores contrários a ocupação. Ele foi socorrido e passa bem. No começo da manhã, mais de 20 homens da tropa de choque e do comando tático da PM permaneciam do lado de fora do terreno para conter moradores do Rio Vermelho, que se concentram em frente a ocupação. Eles gritam palavras de ordem e fazem ameaças aos acampados.

O número de invasores, segundo Rui Fernando, lider do movimento, aumentou dos 70 anunciado na tarde de domingo (21), para 100. A PM refuta esse número, já que não permite a entrada pela frente do terreno e só confirma a entrada das que estavam no interior das vans. “Só se eles entraram por algum outro lugar que não temos acesso”, disse o major Matos, que comanda a operação policial.

Conflito

Durante a manhã, os invasores tentaram entregar uma carta à comunidade do Rio Vermelho, explicando suas intenções. “A ocupação é temporária”, diz o texto. A tensão, porém, prosseguiu, já que o ato não foi bem recebido. A carta acabou rasgada pelos moradores do bairro.

Daniel Queiroz/ND

Carta que invasores tentaram entregar à comunidade acabou rasgada

Com informações do repórter Marciano Diogo

VEJA A GALERIA DE FOTOS 

Foto: Daniel Queiroz/ND


Veja a reportagem da RICTV Record:

Confira o comentário de Roberto Azevedo:

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...