Novo terminal de passageiros do aeroporto tem acessos definidos em duas semanas

Atualizado

A 51 dias para a inauguração do moderno terminal de passageiros do Aeroporto Internacional Hercílio Luz, as formas de acesso ao novo equipamento ainda são um mistério para quem vive o dia a dia no atual terminal. Uma reunião entre prefeitura e a concessionária Floripa Airport deve acontecer dentro de 15 dias para definir como as pessoas deverão chegar ou deixar o novo terminal.

Linhas de ônibus do transporte coletivo que atenderão o novo terminal estão indefinidas – Flavio Tin/ND

De acordo com o secretário municipal de Transportes e Mobilidade Urbana de Florianópolis, Michel Mittmann, a questão encontra-se em fase de planejamento e a reunião com a concessionária vai definir toda a situação do entorno do novo terminal. Mittmann não informou critérios ou informações que estão sendo utilizadas para a tomada de decisão.

A Floripa Airport também não quis fornecer detalhes do planejamento dos acessos ao novo terminal e apenas informou que “trabalha em conjunto com a prefeitura e demais envolvidos”. A nota divulgada pela assessoria de imprensa também relata que “o plano considera os diferentes meios de transporte e em breve será divulgado”, acrescentando que o novo terminal terá espaço para bicicletário, Uber, táxi, transporte de turismo (van), transporte público e um estacionamento com capacidade de 2.580 vagas.

Procurado pela reportagem do ND, o Consórcio Fênix informou que aguarda as determinações da prefeitura de Florianópolis, através da Secretaria Municipal de Transportes e Mobilidade Urbana, para definir linhas e itinerários.

Atualmente, o aeroporto Hercílio Luz conta com quatro linhas convencionais – 183 (Corredor Sudeste), 186 (Corredor Sudoeste Semidireto), 461 (Tapera via Túnel), 467 (Tapera/Saco dos Limões), além da Linha Executivo 4124 (Caieira da Barra do Sul via Tapera). Das cinco linhas, apenas a 183 e 186 tem ponto final no aeroporto.

Entre as dificuldades encontradas para a elaboração do planejamento estão as obras de acesso ao novo aeroporto. O governo do Estado garante a entrega do novo acesso, que vai atravessar o loteamento Santos Dumont no bairro Carianos, em pista simples. Se a obra do acesso for concluída a tempo, o acesso via SC-405 (Campeche) poderá ser preterido.

Caso contrário, a prefeitura terá que estudar uma mudança radical de itinerários do transporte coletivo ou a criação de novas linhas, como, por exemplo, ligando o novo terminal aos terminais do Rio Tavares e Lagoa da Conceição, devido à proximidade com o novo endereço.

Apreensão com falta de informação

Taxistas, motoristas de aplicativo, motoristas de vans, e funcionários que vivem o cotidiano do Aeroporto Internacional Hercílio Luz revelam apreensão com a falta de informações sobre as formas de acesso ao novo terminal. A maioria dos funcionários do aeroporto reside em bairros próximos, como Carianos e Costeira do Pirajubaé, e temem perder tempo e dinheiro com o deslocamento.

Vice-presidente da Cooperativa Aerotáxi, o taxista Lucio Martins diz que sabe da situação de forma superficial. “Teremos de sete a 10 vagas e os demais carros ficarão num bolsão. Mas não tem nada definido ainda. Está chegando a hora e por enquanto não tem nada”, afirma Martins, que representa 50 motoristas cooperados que dividem espaço com outros 20 taxistas licenciados no ponto do aeroporto.

Trabalhando há quatro meses no aeroporto, o motorista de Van Luiz Antonio Júnior diz ter ouvido muitos boatos, mas nada concreto. “Ninguém sabe como vai ficar. Nem os taxistas sabem, imagine nós. Pelo jeito só saberemos algo quando for inaugurar”, relata. Para o motorista Vilmar Vieira, as vans poderiam ter um espaço maior no novo termina. “Aqui cabe cinco vans e quando passa disso somos obrigados a dar o balão e ficar rodando”, justifica.

Para quem trabalha nas lojas do atual terminal de passageiros a situação é idêntica. “Vou ficar esperando quando chegar perto da data da inauguração para saber”, conta Joana Correa Borges, que trabalha em um quiosque. Ela mora na Costeira do Pirajubaé e leva 15 minutos de ônibus para chegar ao trabalho. “Estou apreensiva para saber a rota, mas como meu horário começa às 11h, talvez não tenha tanto problema”, afirma.

O mesmo não pode dizer a balconista Debora Silva. Ela reside no bairro Carianos e caminha algumas quadras para chegar ao trabalho. Porém, com a inauguração do novo terminal, já planeja até utilizar a bicicleta. “Pelo que estão falando vão abrir um acesso pelo antigo terminal, mas não sei se é verdade. Então vou esperar, mas a bicicleta é uma possibilidade”, diz Debora, que espera não precisar recorrer ao transporte coletivo para chegar ao trabalho, devido ao custo e ao tempo perdido.

Aviação