ONG questiona relatório policial que tratou como homens duas mulheres trans

Atualizado

A Adeh (Associação em Defesa dos Direitos Humanos com Enfoque na Sexualidade) questiona a divulgação das informações por parte da Polícia Militar e Polícia Civil sobre um crime ocorrido na madrugada desta quarta-feira (5), no bairro Ingleses.

Isabelle Colstt foi esfaqueada e morreu no local – Foto: Divulgação/ND

O relatório da PMSC, enviado à 1h40 da madrugada, trata o caso como dois homens. “A vítima, um homem de 27 anos, sem passagens policiais foi esfaqueada e veio a óbito. Outro homem de 30 anos, sem passagens policiais foi intervir e também foi esfaqueado, mas foi atendido pelo ASU no local. Autoria e motivação são desconhecidas”, diz o relatório policial.

A ONG afirma que se trata de duas mulheres trans. Uma delas, Bruna Andrade, teria o nome retificado (mudado em cartório). Ela foi levada ao hospital e permanece na UTI. A outra vítima, Isabelle Colstt, foi esfaqueada e morreu no local. O crime, dessa forma, foi cometido contra pessoas transgênero.

O delegado Enio Matos, da Delegacia de Homicídios da Capital, disse que recebeu o boletim como sendo dois homens e que teria sido registrado conforme os documentos recolhidos.

A PM no Norte da Ilha informou que o release encaminhado à imprensa foi feito com base nas informações da qualificação (como constava nos documentos), então por isso foi repassado como “dois homens”, mas que está correto que se tratavam de duas pessoas trans. “Como nós atendemos a ocorrência e falamos com a vítima, sabemos e constamos no histórico”, informou.

Leia também:

A reportagem tentou contato com o IGP (Instituto Geral de Perícias), para confirmar a identidade da vítima que morreu.

“Se formos entrar nessa questão de gênero, ambas são mulheres. Tem que acabar com esse discurso biologicista e biomédico. O que a gente tem hoje fadado é pessoas do sexo feminino e pessoas do sexo masculino”, diz Lirous K’yo Fonseca Ávila, da Adeh.

A ONG informou que irá enviar uma nota de repúdio nesta quinta-feira (6), se manifestando sobre as informações do relatório policial.

Polícia