Operação Alcatraz: Ex-secretário adjunto de SC gastou R$ 650 mil em grife de luxo

Atualizado

O ND+ teve acesso, com exclusividade, a um relatório da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros da Polícia Federal que integra a Operação Alcatraz. O documento mostra que, em um período de três anos, Nelson Castello Branco Nappi Junior, apontado como um dos envolvidos no esquema, adquiriu R$ 654.063,11 em produtos da Louis Vuitton. O salário bruto do ex-secretário adjunto de Administração do governo do Estado, na época, era de R$ 16.789,63, que livre de impostos ficava em R$ 12.765,16.

Polícia Federal deflagrou a Operação Alcatraz na última semana – Arquivo/Flávio Tin/ND

Deflagrada na semana passada, a operação busca apurar denúncias de desvios de recursos públicos em empresas prestadores de serviços para órgãos estaduais. Segundo os investigadores, Nelson é um dos principais operadores daquela que é classificada como uma “organização criminosa”. Entre 2013 e 2016, ele teria gasto com a marca de luxo italiana “praticamente o total de rendimentos nestes anos somados como funcionário público estadual”.

Leia também:

Desse total, R$ 341.941,91 foram de compras realizadas somente em 2014, destaca o relatório, elaborado com informações decorrentes da quebra de sigilo fiscal autorizada pela Justiça Federal. Todas as compras foram feitas na loja de São Paulo da grife italiana.

Para os investigadores, somadas às aquisições de dois carros de luxo no valor de R$ 400 mil entre 2013 e 2014, além de apartamentos avaliados em mais de R$ 3 milhões, comprovam que tanto Nappi Junior quanto a esposa, Cristiane, ostentavam patrimônio absolutamente incompatível com os rendimentos dele, à época secretário-adjunto de Administração do Estado.

No relatório a que o ND teve acesso, os policias federais relatam ainda a compra de dois aparelhos de TV, de 60 e 65 polegadas, além de um sofá, no valor de R$ 19.298,00. Estes objetos, conforme a PF, foram entregues em um apartamento que pertence a um casal sócio de uma empresa de engenharia e de outras empresas “que atuam no segmento de energia elétrica”.

O referido casal e a empresa também são alvos da Operação Alcatraz.

Polícia