Avenida Osni Ortiga será a próxima via a ter sua ciclovia

Projeto prevê a implantação de 3,5km exclusivos para bikes entre a avenida das Rendeiras e o trevo do Porto da Lagoa

Daniel Queiroz/ND

Trevo entre Rendeiras e Osni Ortiga é um dos mais perigosos, segundo ViaCiclo

Dentro do projeto de revitalização da rua Vereador Osni Ortiga, na Lagoa da Conceição, está prevista a construção de uma ciclovia. A pista terá três quilômetros e meio e deve estar concluída até o fim do ano, segundo a prefeitura. A ordem de serviço já foi liberada e num prazo de 60 dias haverá abertura de licitação.

Segundo o secretário municipal de Transportes e vice-prefeitoJoão Batista Nunes a expectativa é que em mais seis meses, aproximadamente, a ciclovia esteja pronta. A obra custará R$ 3,4 milhões e será dividida em duas partes: primeiro será feita a construção de um muro (para proteção dos ciclistas ), a drenagem e a terraplanagem do terreno; e a segunda será a colocação do calçamento, sinalização e pintura.

O trecho liga a avenida das Rendeiras ao trevo do Porto da Lagoa, na SC-406 e é crucial para as pedaladas, segundo o presidente da Viaciclo (Associação de Ciclousuários da Grande Florianópolis), Daniel de Araújo Costa. Daniel salientou que essa é uma luta antiga dos ciclistas.

Em 2008, a ONG organizou uma mobilização com mais de 200 bicicletas na rua para reivindicar a construção de um acesso para pedaladas naquele trecho. Essa obra será um alívio para Márcio Nunes, 30. O autônomo pedala cerca de três quilômetros por dia na Osni Ortiga e vive um conflito. “Se ando na calçada, as pessoas reclamam. Se vou pela rua, há risco de atropelamento”, diz.

Maureci Salvador optou pelos benefícios da bike para ir trabalhar. É longa a jornada diária, com 24 quilômetros entre ida e volta, para trabalhar na Lagoa. “Essa ciclovia vai melhorar muito a minha vida”, garante. A bicicleta de Fernando Soares, 28, que fica guardada durante o verão, poderá sair da garagem. “É impossível andar de bike por aí na temporada. Os carros vêm por cima. Agora isso poderá mudar”, disse o montador de móveis.

Capital investe nas pedaladas

Florianópolis tem 40 quilômetros de ciclovias, distribuídas em vários pontos da cidade. Os trechos são nas avenidas Beira-mar Norte, Hercílio Luz e Pequeno Príncipe (no Campeche), além de pistas no Ribeirão da Ilha, Cachoeira do Bom Jesus e na rodovia que liga os Ingleses ao Rio Vermelho.

Daniel de Araújo defendeu que essas construções devem ser estimuladas, inclusive para evitar acidentes. “Andar de bicicleta não pode mais ser um risco, chegou a hora do poder público valorizar esse meio de transporte, que só contribui com a cidade”, diz. O ciclista lembrou a tríade de benefícios que a bicicleta traz: desafoga o trânsito, evita a poluição e humaniza o espaço público.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo