Pai e filha de 2 anos assassinados a tiros são sepultados em Florianópolis

Atualizado

A menina de dois anos que foi morta a tiros junto com o pai no bairro Serraria, em São José, foi sepultada na manhã desta terça-feira (14) no Cemitério São Cristóvão, em Florianópolis. O pai da menina, identificado como Jean da Silva, 26 anos, foi sepultado em outro cemitério da região que não foi divulgado.

Pai e filha foram mortos a tiros em São José na noite de domingo (14)  – Facebook/Reprodução/ND – Facebook/Reprodução/ND

Segundo informações do cemitério, pai e filha teriam sido enterrados em locais diferentes porque a família não tinha jazigo. Jean vivia com a mulher e três crianças, a mais nova nascida em abril deste ano. O crime ocorreu na noite de domingo (14) na casa da família, próximo à avenida das Torres.

Segundo a polícia, a suspeita é de que o crime tenha sido resultado de um acerto de contas. “Tudo leva a crer que seja isso [acerto de contas], várias hipóteses surgiram e precisamos verificar uma por uma”, disse o delegado Manoel Galeno, da Polícia Civil de São José.

Leia também:

De acordo com o delegado Manoel Galeno, da Polícia Civil de São José, pai e filha estavam em uma casa quando pelo menos dois suspeitos chegaram ao local e efetuaram os disparos estourando a porta de vidro da residência, sem chances de reação das vítimas.

A criança foi atingida com um tiro no tórax. Ela chegou a ser encaminhada ao Hospital Regional, mas morreu na unidade hospitalar durante a madrugada. Jean foi baleado na cabeça e morreu no local.

Pelas redes sociais, a mãe da criança desabafou sobre a perda do marido e de uma das filhas. “Destruíram minha família, meu Deus, que dor e covardia, chegar ao ponto de atirar num bebê de apenas 2 aninhos. Interrompeu a vida da minha filha, estou sem chão, e completamente sem condições de falar nesse momento. Perdi meu marido e minha filha”, escreveu.

Nos perfis do pai, foram publicadas diversas fotos em família. Em uma das últimas postagens, Jean oferecia recompensa para quem encontrasse um animal de estimação, desaparecido na quinta-feira (11). “Não sei se nossa cachorrinha se perdeu ou foi roubada, mas vou buscá-la e pago R$ 1 mil reais como recompensa. Eu e minhas crianças somos muito apegados a ela”, escreveu.

Em outra postagem, a mulher de Jean escreveu que o marido teria protegido as crianças no momento do crime. “Acabaram com a minha família, porque você mudou para melhor, Deus estava vendo isso. Você foi um herói, se jogou em cima das crianças para proteger. Cuida de nós aí de cima, Deus te receba de braços abertos”, declarou a mulher”.

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil alegou que ainda não tinha ouvido a mãe no inquérito que investiga as circunstâncias da morte dos parentes.

Mais conteúdo sobre

Polícia