Palestinos rejeitam plano de Trump que dá aval a anexações israelenses

Chefe da Autoridade Palestina e comandante do Hamas prometeram se unir contra a proposta do presidente americano

Donald Trump anunciou ontem um plano de paz para o Oriente Médio imediatamente rejeitado pelos palestinos. Em discurso na Casa Branca, ao lado do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, ele propôs dar quase tudo o que Israel sempre reivindicou, ao reconhecer assentamentos judeus na Cisjordânia e prever a anexação do Vale do Jordão. Em troca, prometeu apoiar a criação de um “Estado palestino com soberania limitada”.

Presidente Trump divulga um plano para um acordo abrangente de paz entre Israel e os palestinos – Foto: Shealah Craighead/Fotos Públicas/Divulgação/NDPresidente Trump divulga um plano para um acordo abrangente de paz entre Israel e os palestinos – Foto: Shealah Craighead/Fotos Públicas/Divulgação/ND

“Minha visão é uma oportunidade em que todos ganham. Uma solução realista de dois Estados, que resolve a questão do risco que um Estado palestino oferece à segurança de Israel”, disse o presidente, que estava ao lado do premiê de Israel. “O acordo de paz com Trump fará história”, respondeu Netanyahu. Nenhum representante palestino esteve presente.

Leia também:

Tanto Mahmoud Abbas, chefe da AP (Autoridade Palestina), que administra a Cisjordânia, como Ismail Haniyeh, comandante do Hamas, que controla Gaza, rejeitaram o plano. Os dois se falaram nesta terça-feira (28) por telefone e prometeram “união” contra a proposta. Em reunião privada com assessores, Abbas chamou Trump de “cachorro” e pediu aos jovens palestinos que resistam à anexação de territórios por parte de Israel.

Pelo plano de Trump, que ele chamou de o “Acordo do Século”, Jerusalém seria controlada por Israel, incluindo a parte oriental, que é reivindicada pelos palestinos. O presidente americano, no entanto, de maneira confusa, prometeu montar uma embaixada dos EUA na futura Palestina em Jerusalém Oriental, caso a transição ocorra de maneira pacífica, mas sem explicar como isso seria compatível com a soberania israelense da cidade.

Se os palestinos aceitarem a oferta, Trump prometeu investimentos de US$ 50 bilhões em dez anos para construir um Estado. Abbas respondeu dizendo que “Jerusalém não estava à venda”. “Não é o acordo do século. É o golpe do século. Dizemos mil vezes não ao plano de Trump”, afirmou o líder da AP.

Jordânia e Egito, os dois únicos países árabes que mantêm relações diplomáticas com Israel, também não demonstraram entusiasmo com o plano. O governo egípcio defendeu que os dois lados “estudem a proposta”, mas falou em encontrar uma solução que “restaure os direitos legítimos dos palestinos”. Os jordanianos foram mais explícitos e rejeitaram qualquer fronteira que não seja a anterior a 1967. A Arábia Saudita apoiou a proposta de Trump.

Turquia e ex-negociadores

A Turquia rejeitou o acordo, que chamou de “plano de anexação de Israel”. O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a organização continuará reconhecendo apenas as fronteiras anteriores a 1967.

O acordo também não foi bem recebido por ex-negociadores, que citaram o fato de o anúncio ter sido feito por um presidente que enfrenta um impeachment e um premiê indiciado por corrupção, que precisa de apoio para se manter no cargo após as eleições israelenses de março.

Khaled Elgindy, ex-negociador palestino, comparou o mapa da Palestina divulgado pelos EUA com os bantustões nos quais o regime do apartheid mantinha os negros enclausurados na África do Sul. “O acordo legitima a ocupação”, disse. Aaron David Miller, ex-negociador americano, afirmou que o plano de Trump era um “documento político” feito para aumentar as chances de vitória de Netanyahu na eleição.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo com agências internacionais.

+

Notícias