Para entidades de SC, aprovação da Previdência cria expectativa de crescimento econômico

Diante da aprovação da reforma da Previdência, as principais entidades representativas do setor produtivo e empresarial de Santa Catarina comemoraram a boa notícia. Isso por que mudanças nas regras de aposentadorias e pensões são uma demanda histórica dos empresários, que enxergam nessas medidas um importante pilar para que o país trilhe o rumo do crescimento sustentável.

O motivo para o otimismo é que a previdência social sempre foi considerada um ponto nevrálgico das contas públicas e responsável por gastos que se tornariam insustentáveis ao longo dos anos. Em 2018, por exemplo, o déficit das despesas com aposentadorias, pensões e outros benefícios passou de R$ 200 bilhões. Um valor exacerbado em um país com as contas públicas já no vermelho.

“Com a nova Previdência esperamos que essa conta fique mais equilibrada”, afirmou Mario Cezar de Aguiar, presidente da Fiesc (Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina).

Mas por que as contas públicas do governo são tão importantes para o crescimento do setor privado? Por vários motivos. O primeiro deles é que com as contas em dia o governo terá recursos para investir na infraestrutura brasileira, como explica Bruno Breithaupt, presidente da Fecomercio-SC (Federação do Comércio de Santa Catarina).

“O Brasil ainda é um país carente de boa infraestrutura. Faltam bons portos, boas estradas, bons aeroportos e boas ferrovias. Com a sangria da Previdência estancada, acreditamos que o governo terá recursos para voltar a investir nessas áreas, melhorando o ambiente para investimentos do setor produtivo”, opina Breithaupt.

Com as finanças públicas em dia, os empresários também entendem que a fome do governo por impostos poderá ficar menor. Isso tende a ter impacto positivo para as empresas, que apontam os tributos como uma das principais causas para a perda de competitividade. Além disso, com a previdência resolvida a expectativa agora é que Brasília se volte para a próxima reforma: a tributária.

Primeiros efeitos estão previstos para este ano

Com um contingente de desempregados que beira os 13 milhões de brasileiros, o país vê na reforma da Previdência um passo importante para sair dessa situação e gerar novos postos de trabalho. O otimismo é compartilhado pelo presidente da Fiesc. Segundo Aguiar, a aprovação da nova Previdência mira resultados no longo prazo, mas terá seus primeiros sinais já nos próximos meses, principalmente por causa da confiança dos investidores.

“Se a Câmara de Deputados aprovar em dois turnos antes do recesso, isso terá um grande significado. Santa Catarina tem a indústria mais diversificada do país e se diferencia também pela desconcentração econômica. Com a nossa cultura empresarial e a melhoria do cenário macroeconômico, finalmente começamos a vislumbrar com mais clareza a volta do crescimento econômico”, disse Aguiar.

Breithaupt, presidente da Fecomercio-SC, concorda que os primeiros sinais virão em breve. Porém, fez questão de frisar que o mais importante na reforma é colher os frutos de longo prazo, que são mais sustentáveis. “Graças às contas do governo em dia, a expectativa é favorável para o crescimento da economia de maneira equilibrada e constante”, acredita.

Política