Para os engenheiros agrimensores, o futuro se constrói agora

Conhecimento geográfico para dar suporte a intervenção humana na natureza

AGRIMENSOR – Foto: LUIZ NALETO – PIXABAY

Uma das primeiras atividades de Engenharia desenvolvidas pelo homem foi a Agrimensura e permanece até hoje indispensável como trabalho básico em várias ações. Das demarcações de terras em áreas urbanas até a aferição dos limites territoriais do Brasil, os engenheiros agrimensores desenvolvem uma série de serviços que dão suporte a boa parte da intervenção humana na natureza. O profissional é responsável por medir, parcelar, mapear e monitorar os espaços físicos e obras de engenharia.

A Agrimensura como Ciência ou Engenharia surgiu no antigo Egito quando as enchentes desfaziam as linhas divisórias das propriedades, havendo necessidade de nova demarcação quando as águas voltavam ao seu nível normal. O inglês Jonathan Sisson construiu o primeiro teodolito, instrumento muito utilizado nas explorações do território brasileiro e demarcação de limites, como do Planalto Central, em 1892.

Até o início dos anos 70, a Agrimensura utilizava equipamentos onde a composição óptica constituía cerca de 90% – como os teodolitos ótico-mecânicos, nas medições de campo e os restituidores analógicos, para transformar fotografias em mapas.

Nos últimos anos, os equipamentos topográficos tiveram grande evolução no que se refere à precisão alcançada e a confiabilidade na coleta dos dados. Dos antigos teodolitos analógicos convencionais, aos teodolitos eletrônicos e às estações totais, o GPS e o mapeamento a laser, o avanço tecnológico garantiu a geração de máquinas com hardwares mais potentes, aumento na quantidade de dados coletados e equipamentos cada vez menores.

Os dados que se obtêm em levantamentos com laser scanner 3D, por exemplo, são chamados de nuvem de pontos. O equipamento faz uma varredura a laser no local, levantando pontos com coordenadas tridimensionais. No Brasil, a grande área de atuação desse tipo é a de plantas industriais, além de mapeamento temático, modelagem digital, levantamentos subterrâneos e de túneis.

Área de atuação e atribuições do engenheiro agrimensor – No Brasil, a Engenharia de Agrimensura, como habilitação da engenharia, foi criada pela Lei n° 3.144/57, mas somente em 1964 o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia definiu as atribuições para o exercício profissional. Atualmente a profissão é regulamentada pela Resolução 218/73 do Confea e pela Lei 5.194/66.

Podem-se considerar as principais atividades do engenheiro cartográfico e agrimensor a demarcação de territórios; representação no formato de cartas e mapas de áreas terrestre, náutica e aeronáutica; elaboração de mapas de áreas submersas; planejamento de redes de saneamento básico, telefonia e eletrificação; georreferenciamento de imóveis; levantamento aerofotogramétrico e instalações de edificações, entre outros.

O futuro se constrói agora – Em homenagem aos profissionais da engenharia e geociências, o CREA-SC lançou no dia 20.09 a campanha: O futuro se constrói agora. O objetivo é enfatizar a importância da atuação dos profissionais da área tecnológica para a retomada do crescimento e posicioná-los como agentes do desenvolvimento econômico, qualidade de vida e segurança da sociedade, tanto no meio urbano quanto rural.

“Ressaltar a importância, representatividade e força dos nossos profissionais e profissões são compromissos importantes da nossa gestão, refletidos nesta campanha”, assinala o presidente do CREA-SC, Eng. Agr. Ari Geraldo Neumann.

“Muito se espera do nosso futuro. Que ele seja próspero e traga um novo período de oportunidades. Mas o que determina o futuro são as nossas ações de hoje. Para o CREA-SC, o tão sonhado projeto de um novo país já começou. A sociedade pode contar com a autoridade técnica dos profissionais da engenharia, agronomia e geociências para viver uma nova era de desenvolvimento. Porque se a economia é uma roda, não há ninguém mais capacitado para fazer a engrenagem girar”.

Confira o VT da campanha aqui: bit.ly/2lWkL4j

+

Crea SC