Pedestres na Beira-mar: não há toque de recolher, mas isolamento é recomendado

Atualizado

Com prorrogação da quarentena valendo até quarta-feira (8), o movimento em avenidas como a Beira-mar Norte e a Mauro Ramos segue incomum. Apesar das orientações de não sair de casa em ocasiões não-essenciais, há pedestres que optam por transitar nas vias. A Guarda Municipal afirma que não possui respaldo para mandar pedestres para casa. Só neste sábado (4) cerca de 43 pessoas foram abordadas e orientadas.

Em aglomerações, há respaldo para orientar volta para casa. Porém, pedestres, individualmente, não se enquadram – Foto: Foto: Secretaria de Segurança Pública/Divulgação

“Hoje não existe toque de recolher. Nós só podemos fazer uma conscientização”, afirma Ricardo Pastrana, subcomandante da Guarda Municipal de Florianópolis. Nas praias, o órgão possui respaldo para orientar a volta para casa, pois possuem respaldo legal.

“Uma pessoa surfando, por mais que não apresente risco, acaba estimulando outras pessoas a irem para a praia. O que recomendamos é ficar em casa e sair somente se necessário”, observa Pastrana.

Leia também:

Esses detalhes nas restrições têm sido abordados de diferentes maneiras por países e especialistas. A maior parte não vê problemas em caminhadas e exercícios físicos ao ar livre, mas na França, por exemplo, eles são restritos em 20 minutos, e devem ser feitos no máximo a 1 km de casa.

Além disso, na Sérvia há toque de recolher das 17h às 5h, e já ocorreram casos de prisão pela violação da medida, como o caso do jogador Aleksandar Prijovic. Segundo o diretor de polícia Vladimir Rebic, o atleta “foi preso junto com várias outras pessoas e todos foram levados para o escritório do promotor. Eles violaram o toque de recolher enquanto tomavam bebidas no lobby do restaurante de um hotel em Belgrado após as 17h.

Trânsito