Peixe Urbano pretende gerar 400 vagas de trabalho em Florianópolis em quatro anos

Plataforma nacional de ofertas locais, a empresa Peixe Urbano está de mudança para Florianópolis neste mês de fevereiro. Criada no Rio de Janeiro, a empresa deve abrir sua nova sede no bairro João Paulo, local que reúne várias empresas de tecnologia. Um dos principais motivos para a mudança é a consolidação da capital catarinense como polo tecnológico no país. A expectativa da empresa é gerar até 400 novas vagas de trabalho em Florianópolis nos próximos quatro anos.

O CEO do Peixe Urbano, Alex Tabor, procurou o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (PMDB), no início deste ano para tratar da mudança. “O presidente da empresa comentou que eles estavam previstos para vir para Florianópolis em 2018, mas a prefeitura foi tão eficaz em suas respostas que acabaram adiantando essa vinda”, afirma o prefeito. Em entrevista à revista Exame, Tabor afirmou que, além de Florianópolis estar entre as melhores cidades para se fazer negócio no país, há também a facilidade em contratar profissionais aqui.

O CEO do Peixe Urbano, Alex Tabor, se mudará do Rio de Janeiro para as novas instalações da empresa, no João Paulo, em Florianópolis - Divulgação
O CEO do Peixe Urbano, Alex Tabor, se mudará do Rio de Janeiro para as novas instalações da empresa, no João Paulo, em Florianópolis – Divulgação

Para o coordenador do programa startup SC do Sebrae, Alexandre Souza, a chegada do Peixe Urbano vai trazer várias empresas para o Estado e, principalmente, para a Capital. Segundo ele, como o ecossistema de inovação de startups cresceu muito no município desde 2011, várias empresas do setor de tecnologia daqui estão começando a importar funcionários de outros estados. “Assim como em São Francisco (na Califórnia, Estados Unidos) as pessoas gostam de trabalhar pelo ambiente das empresas e pela cidade linda. Florianópolis é a mesma coisa”, comenta ele.  

De acordo com Alexandre, os incentivos públicos são fundamentais para atrair novas empresas, como o decreto assinado por Gean em 20 de janeiro que cria o Sistema Municipal de Inovação e também o Fundo Municipal de Inovação. A criação do fundo permitirá que empresas públicas e privadas aportem recursos financeiros para apoiar projetos, estudos e programas voltados à inovação e desenvolvidos em Florianópolis.

Há vagas disponíveis para Florianópolis

O Peixe Urbano continuará com seus outros três escritórios, em São Paulo, Itajubá (Minas Gerais) e em Montevidéu (Uruguai), e também mantém suas operações no Rio de Janeiro, local que servirá de base para o time comercial regional e outras equipes. Com a mudança, Alex Tabor e todos os diretores da empresa irão trocar de endereço.

De acordo com a assessoria de imprensa da empresa, todos os funcionários que desejarem fazer parte da equipe na nova sede vão permanecer em suas funções. “Temos como premissa oferecer todas as condições possíveis para dar continuidade ao trabalho na nova sede, com a contratação, também, de funcionários locais”, afirma Anderson Valverde, diretor de recursos humanos da empresa. Para o executivo, a Ilha oferece uma excelente qualidade de vida e está inserida em um cenário de inovação, um dos pilares do Peixe Urbano.

Na seção de “vagas” do site, já há 17 oportunidades de emprego abertas em Florianópolis. Entre elas, estão vagas para analista de marketing, analista de mídias sociais, analista financeiro, atendimento ao cliente, assistente jurídico, designer, gerente de produtos, assistente de produção de fotografia, entre outros.

Hoje, o Peixe Urbano se vende como um enorme “shopping de ofertas” - Reprodução/ND
Hoje, o Peixe Urbano se vende como um enorme “shopping de ofertas” – Reprodução/ND

De compras coletivas a plataforma de ofertas locais

O anúncio oficial da mudança do Peixe Urbano para Florianópolis será feita nesta quinta-feira (2), na sede da Acate (Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia). Estarão presentes Alex Tabor; o CEO do Baidu no Brasil, Yan Di (principal acionista da empresa); o presidente da Acate, Daniel Leipnitz; e o prefeito Gean Loureiro.

Criado em 2010, o Peixe Urbano foi a primeira empresa a introduzir o conceito de “compras coletivas” na América Latina, que já rondava os Estados Unidos com o Groupon. No início, era disponibilizado no site do Peixe Urbano uma determinada oferta por tempo limitado, como um jantar em um restaurante, por exemplo, com um bom desconto. Mas, para utilizar aquela oferta, era preciso que um determinado números de clientes comprasse a mesma oferta.

O negócio se espalhou pelo país e várias empresas começaram a utilizar a estratégia, que foi remodelada com o tempo. Hoje, o Peixe Urbano se vende como um enorme “shopping de ofertas”, onde o consumidor pode encontrar facilmente o que procura, quando quiser e de onde estiver. A exigência de número mínimo de compradores para ativar uma oferta foi extinta e a empresa passou a ter milhares de ofertas no ar simultaneamente e por períodos prolongados.

O que é o Peixe Urbano?

Maior plataforma de ofertas locais do Brasil, pode ser acessada por site ou aplicativo. Com mais de 27 milhões de usuários cadastrados , a empresa oferece ofertas de gastronomia, entretenimento, estética, turismo e produtos. A missão do Peixe Urbano é proporcionar as melhores oportunidades e experiências ao conectar pessoas e empresas por meio da tecnologia.

O Peixe Urbano utiliza tecnologia de geolocalização, além de filtros por interesse e ferramentas de personalização, navegação e busca. Hoje, grande parte das ofertas locais estão no formato “use agora”, o que significa que o usuário pode escolher, comprar e usar o cupom na mesma hora, sem precisar agendar ou mostrar o cupom impresso.

 

Como começou a empresa?

O Peixe Urbano foi fundado no Rio de Janeiro no início de 2010 por três amigos empreendedores: Julio Vasconcellos, que trabalhou em diferentes startups no Vale do Silício; Emerson Andrade, que trabalhava para a Microsoft, em Seattle; e Alex Tabor, que participou do desenvolvimento da Power.com, startup integradora de redes sociais. A empresa foi a primeira a introduzir o conceito das “compras coletivas” na América Latina, revolucionando o comércio eletrônico para serviços locais e dando início ao boom de startups na região. A primeira oferta foi ao ar no dia 31 de março de 2010 e esgotou com mais de 60 cupons vendidos.

O Peixe Urbano foi a primeira empresa latino-americana a ser eleita a “Melhor Startup Internacional do Ano” pelo Crunchies Awards, principal premiação dos Estados Unidos para startups da área de internet e tecnologia. Em 2014, recebeu um novo sócio estratégico e acionista majoritário: o Baidu (NSDQ: BIDU), segundo maior serviço global de buscas na web e uma das maiores empresas de internet do mundo.

Cidade