Ao menos sete cidades tiveram novos problemas por causa da chuva em Santa Catarina

Estudantes que moram no perímetro rural de Rio dos Cedros e Ilhota não conseguiram chegar às escolas por causa do comprometimento das estradas

Defesa Civil de Santo Amaro/Divulgação/ND

Área em Santo Amaro teve o terceiro deslizamento em menos de um mês

A Defesa Civil de Santa Catarina confirmou que pelo menos sete cidades tiveram novos registros de deslizamentos e queda de barreiras provocados pela chuva, que cai de modo intenso na região desde a madrugada de quarta-feira (4).

Na região metropolitana da Grande Florianópolis, as ocorrência foram pontuais. Em Florianópolis, São José e Biguaçu a Defesa Civil municipal monitora as áreas de risco e os rios. Em Palhoça foram registrados dois deslizamentos de terra. Um deles, no Morro do gato que fica no bairro São Sebastião, foi o deslizamento de um talude sobre a via que obstruiu a passagem, mas pela manhã os agentes já fizeram a remoção da terra. O outro deslizamento ocorreu na região do Morro da Gaivota, no bairro Alto Aririu e a área está sendo monitorada, mas ninguém foi atingido.

Em Santo Amaro da Imperatriz também foi registrado um deslizamento, mas de uma área que já havia desbarrancado no dia 21 outubro e também na segunda-feira. Abaixo da casa, já havia sido feito um talude e obras de contenção antes do primeiro deslizamento e não tem nenhuma outra casa no entorno. Por isso, apesar da situação, não há risco eminente. 

Segundo o diretor de Defesa Civil local Ricardo Madeira, na primeira vez que aconteceu o deslizamento a família conseguiu tirar os pertences e deixou a casa. Eles compraram o imóvel há três anos e o local já era considerado área de risco. “O problema é que agora, com o solo encharcado não tem como mexer nesse barranco porque ainda está deslizando e o montante é grande, não tem como subir e nem colocar máquina embaixo para remover”, explicou Madeira. Apesar do risco no local, o diretor 

Na cidade de Joinville, houve alagamentos e deslizamentos em cortes de estradas e de taludes. Uma casa foi atingida e cinco pessoas ficaram desalojadas. Em Corupá, o km 94 da BR-280 está em meia pista desde a manhã de quarta-feira (4), por causa de uma queda de barreira. Estradas de Pedra de Amolar e de Palhoça também tiveram registros semelhantes. Em Rio dos Cedros, 450 estudantes que moram no perímetro rural estão sem aula nesta quinta-feira por causa do comprometimento das estradas vicinais. Em Ilhota, o problema se repete prejudicando 32 estudantes.

Defesa mantém alerta para deslizamentos

Devido ao grande acumulado da chuva que se estende desde o começo de outubro e a previsão do tempo, que continua indicando instabilidade climática para os próximos dias, a Defesa Civil de Santa Catarina mantém o alerta para novos riscos de deslizamentos de terra.

De acordo com o órgão, o problema pode acontecer principalmente nas áreas entre o Planalto ao Litoral de Santa Catarina. Desde o dia domingo (1) até o começo da manhã desta quinta-feira (5), 15 cidades haviam registrado índice pluviométrico acima dos 100mm.

Os maiores acumulados foram em Schroeder (189mm), Joinville (184mm), Garuva (156mm), Santa Rosa de Lima (133mm) e Praia Grande (124mm), segundo dados da Epagri/Ciram.

A recomendação é para que as famílias saiam imediatamente suas residências ao perceber o menor movimento de terra ou rochas próximas ao local, devendo informar o fato à Defesa Civil municipal ou o Corpo de Bombeiros.

Participe do grupo e receba as principais notícias
da Grande Florianópolis na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Notícias

Loading...