Pessoas entre 30 e 39 anos são as mais afetadas pelo coronavírus em SC

Atualizado

O número de casos de coronavírus aumentou para 219 confirmados em Santa Catarina, na tarde desta segunda-feira (30). Entre os casos, a faixa etária com o maior número de afetados é a de 30 a 39 anos, com 53 pessoas já contaminadas, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde.

Duas pessoas morreram por causa do coronavírus em SC – Foto: NIAID/Divulgação/ND

Além disso, outras duas pessoas com idade entre 10 a 19 anos também deram positivo no teste para Covid-19. Outros 20 pacientes estão em UTIs recebendo tratamento específico para a doença.

Mais cinco pacientes com idade entre 50 e 59 anos também estão precisando de tratamento intensivo.

Leia também: 

No entanto, o número de pessoas em UTIs que estão apenas com a suspeita da doença aumenta consideravelmente. Porém, a Secretaria de Estado da Saúde não informou a quantidade.

Confira a faixa etária dos casos confirmados:

  • 10 a 19 anos – Dois casos
  • 20 a 29 anos – 33 casos
  • 30 a 39 anos – 53 casos
  • 40 a 49 anos – 37 casos
  • 50 a 59 anos – 36 casos
  • 60 a 69 anos – 39 casos
  • 70 a 79 anos – 10 casos
  • 80 a 89 anos – Seis casos

Casos em tratamento intensivo

Entre os 20 casos com a necessidade de tratamento intensivo, 10 estão em hospitais próprios do Estado. No entanto, segundo o secretário de Estado da Saúde, Helton de Souza Zeferino, as pessoas que estão nesta situação tem 32 anos, 34, dois com 37 anos, 50, 57, 62, 72 e 83 anos.

Além disso, outras 10 pessoas estão em hospitais privados. Os pacientes tem as seguintes idades: 49 anos, 53, 54, 56, 57, dois pacientes com 60 anos, 61, 62 e 68 anos.

Segundo Zeferino, a média mundial para o tratamento em UTIs são entre 15 e 20 dias até resultar em melhora e ficar apenas em observação. Devido a isso, é necessário aumentar a estrutura por causa da quantidade de dias para a melhora do quadro clínico.

Entretanto, buscando compensar o nível de atenção para os casos, as cirurgias eletivas foram suspensas em todo o Estado. Como resultado, a taxa de ocupação passou de 80% para 50 a 60% dos leitos disponíveis na rede pública.

Saúde